Chinaglia: Casa não será 'subjugada' pelos demais Poderes

Candidato à presidência da Câmara, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), ressaltou em discurso no plenário nesta tarde que, se eleito, a Casa não será "subjugada" pelos demais Poderes.

ERICH DECAT, Estadão Conteúdo

01 Fevereiro 2015 | 19h01

Apoiado pelo Palácio do Planalto, que chegou escalar os ministros com perfil político para tentar articular uma vitória do deputado paulista, o petista, entretanto, durante toda a campanha tentou se desvincular do rótulo de "candidato do governo".

"Se alguém imagina a Câmara subjugada quero dizer que é um erro dramático. O erro de imaginar que a Câmara possa ser um poder subordinado", ressaltou o petista. Na disputa de hoje, Chinaglia conseguiu construir um bloco com 160 representantes, 58 a menos do que o formado pelo PMDB, que angariou o maior número de parlamentares (218).

"Assumi essa incumbência com humildade, porém com muita determinação. A nossa determinação nasce das nossas mais profundas convicções. Mesmo agindo com a maior das boas vontades, nós não substituímos o povo brasileiro. Vivemos em um país desigual, apesar dos avanços de décadas", disse o petista no discurso.

Antes dele, discursou o candidato pelo PSOL, Chico Alencar (RJ). O candidato Eduardo Cunha (PMDB-RJ) discursou há pouco e agora é a vez de Julio Delgado (PSB-MG), o último a se pronunciar.

Mais conteúdo sobre:
câmara arlindo chinaglia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.