1. Usuário
Assine o Estadão
assine

CGU tenta cooperação da Holanda no caso SBM

IDIANA TOMAZELLI - Estadão Conteúdo

20 Agosto 2014 | 20h 25

A Controladoria Geral da União (CGU) tenta, pela terceira vez, obter a cooperação da Holanda nas investigações sobre os contratos da Petrobras com a empresa holandesa SBM Offshore, que aluga navios-plataforma (FPSOs) a petroleiras e teria pagado propina a servidores da estatal para fechar negócios bilionários. Sem essa troca de informações, a apuração do caso permanece travada, sem prazo para a apresentação do relatório final, disse ontem o ministro-chefe da CGU, Jorge Hage.

Até hoje, a CGU não conseguiu a colaboração das autoridades holandesas porque a legislação do país permite a troca de informações apenas para processos criminais, enquanto o procedimento adotado pela Controladoria é administrativo. Para viabilizar a cooperação, a CGU está em tratativas com o Ministério da Justiça para elaborar um novo pedido e conseguir vencer os entraves colocados pela lei holandesa. "Estamos em entendimento com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para formular um novo pedido para fins da investigação criminal, com base no inquérito policial da Polícia Federal. Então, obtidas as informações, nós obteremos a autorização judicial no Brasil para que a Polícia compartilhe as informações com a CGU", explicou Hage, que participou nesta quarta-feira do 10º Encontro Nacional de Controle Interno, no Rio.

Em abril, dois meses após a denúncia de um ex-funcionários, a SBM Offshore reconheceu que desembolsou US$ 139,1 milhões a um agente no Brasil, mas sem evidências de pagamentos indevidos a servidores do governo brasileiro. Dias antes, a Petrobrás comunicou que não havia encontrado indícios de recebimento de propina por algum de seus funcionários, segundo apuração interna.

A CGU, que está no caso abril, esperava concluir a investigação até 14 de junho deste ano. Diante da dificuldade, o ministro-chefe da CGU confirmou que não há previsão de quando o relatório será fechado. "Estamos trabalhando intensamente. Esta é a terceira tentativa (de obter as informações), esperamos conseguir agora. (O prazo) depende dessa cooperação", disse Hage.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo