1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
http://topicos.estadao.com.br/operacao-lava-jato

Cerveró liga decisão de Lula a empréstimo sob suspeita, dizem jornais

- Atualizado: 12 Janeiro 2016 | 15h 13

Em delação premiada, ex-diretor da Petrobrás disse que foi nomeado pelo então presidente após 'ajudar' o PT a quitar dívida

Nestor Cerveró
Nestor Cerveró

 

São Paulo - O ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró relacionou uma decisão de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente da República a um empréstimo considerado fraudulento pelos investigadores da Operação Lava Jato. Em depoimento no âmbito de sua colaboração premiada, Cerveró disse que Lula o nomeou diretor da BR Distribuidora “em reconhecimento” pela “ajuda” ao PT para quitar um empréstimo de R$ 12 milhões do banco Schahin. As informações e trechos do depoimento de Cerveró foram revelados nesta terça-feira, 12, pelos jornais Folha de S. Paulo e Valor Econômico.

O empréstimo citado por Cerveró foi contraído em 2004 pelo pecuarista José Carlos Bumlai, também preso por envolvimento na Lava Jato, e nunca pago ao banco Schahin. Bumlai afirmou em depoimento que metade do valor, R$ 6 milhões, teria sido usada para pagar o empresário Ronan Maria Pinto, dono de um jornal em Santo André, para que ele não revelasse detalhes sobre o assassinato do ex-prefeito Celso Daniel (PT). O pecuarista, no entanto, isentou Lula de envolvimento na negociação.

Em 2008, sob o comando de Cerveró, a área Internacional da Petrobrás aceitou contratar a Schahin Engenharia para a operação do navio-sonda Vitória 10.000. O valor do contrato era de R$ 1,6 bilhão. A contratação é vista pelos investigadores como uma forma de o PT compensar o grupo Schahin pelo empréstimo não quitado.

Cerveró disse que sua atuação no negócio gerou “um sentimento de gratidão no PT”. Após a negociação, ele foi nomeado por Lula como diretor financeiro e de serviços da BR Distribuidora, uma subsidiária da Petrobrás. Segundo Cerveró, a nomeação seria “um reconhecimento pela ajuda” ao ter “viabilizado a contratação da Schahin como operadora da sonda”. 

Em seu depoimento, Cerveró atribui ainda a Lula a decisão de conceder influência política ao ex-presidente Fernando Collor de Mello na BR Distribuidora.

Renan. O ex-diretor também disse que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), negociou diretamente, sem intermediários, um suposto repasse de propinas oriundas da Petrobrás. Cerveró relatou aos investigadores da Lava Jato os detalhes de duas reuniões realizadas em 2009 e 2012, com a participação do peemedebista, nas quais o tema propina teria sido tratado. No mais recente desses encontros, Renan teria chamado Cerveró a seu gabinete e reclamado da “falta de repasse”. De acordo com relato de Cerveró, afirmou que não estava arrecadando propina na BR Distribuidora. Renan teria dito então que iria retirar o apoio político a ele.

Aos dois jornais que revelaram o teor do depoimento de Cerveró, o Instituto Lula afirmou que não iria comentar “vazamentos ilegais, seletivos e parciais de supostas alegações que alimentam o mercado de delações sem prova e em troca de benefícios”. O Palácio do Planalto não se manifestou.

Collor não respondeu aos contatos feitos pelos jornais. Renan, por meio de nota, negou ter participado das reuniões citadas por Cerveró e afirmou que “nega todas as imputações e esclarece que já prestou informações requeridas”.

http://topicos.estadao.com.br/operacao-lava-jato
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX