1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Cerveró diz que fez só um 'treinamento' de discurso

FERNANDA NUNES / RIO - O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2014 | 02h 05

Advogado afirma queex-diretor não teve acesso a perguntas; a convite da estatal, apenas participou de um 'media training'

O ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró - apontado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) como um dos responsáveis por prejuízos à União com a compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA) - negou que tenha tido acesso prévio ao questionário de senadores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobrás, que ocorre no Congresso.

A denúncia foi feita pela revista Veja, em sua última edição. A revista se baseou numa gravação de autoria não informada, que teria sido feita no dia 21 de maio. Nela, o chefe do escritório da Petrobrás em Brasília, José Eduardo Barrocas, e um advogado da estatal, Bruno Ferreira, conversam com um homem não identificado sobre as perguntas que poderiam ser feitas a Cerveró no depoimento à CPI da Petrobrás, marcado para o dia seguinte.

O ex-diretor afirma ter passado apenas por uma espécie de "media training", exercícios de postura e discurso, comumente realizado com executivos de grandes empresas, nesse caso patrocinado e a convite da Petrobrás, dias antes de audiência no Senado.

Cerveró evita falar diretamente com a imprensa. Toda comunicação ocorre no Congresso, ou por meio de seu advogado, Edson Ribeiro, em notas oficiais. Com isso, o advogado diz que pretende evitar que o caso de Pasadena e as acusações a Cerveró sejam utilizados para fins políticos e eleitoreiros.

O texto divulgado após a última denúncia envolvendo a Petrobrás informa que "Nestor Cerveró foi convidado e participou de um media training comportamental, oferecido pela Petrobrás, realizado no Rio de Janeiro, em hotel no bairro da Barra da Tijuca, não tendo recebido nenhum questionário com perguntas e respostas sobre o processo de aquisição da Refinaria de Pasadena".

Questionado sobre o dia e local do media training pelo Estado, Ribeiro disse que Cerveró não soube informar. Assinado por Ribeiro, a defesa do ex-diretor alega ainda que Cerveró está sendo usado como "bode expiatório" no caso Pasadena e, por isso, seu trabalho é demonstrar à Comissão de Ética da Presidência da República e à Comissão Interna da Petrobrás que o ex-diretor agiu de "boa fé".

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo