'Centrão' busca novo nome para presidir Câmara de SP

Após perder o apoio da bancada do PMDB a dois dias da eleição para a presidência da Câmara Municipal de São Paulo, o grupo pluripartidário que comanda a Casa desde 2005, autodenominado "centrão", estuda novo candidato no lugar do vereador Milton Leite (DEM). A eleição ocorre amanhã às 9 horas e opõe o bloco liderado pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM), que tem como candidato o vereador José Police Neto (PSDB), ao "centrão", comandado pelo atual presidente Antonio Carlos Rodrigues (PR) com apoio do PT.

AE, Agência Estado

14 Dezembro 2010 | 09h15

O início da semana decisiva para os rumos da sucessão municipal de 2012 e o comando do Legislativo mais caro e influente do País pôs o "centrão" em desvantagem. Dois ícones do grupo de Rodrigues, os peemedebistas Antonio Goulart e Jooji Hato, mudaram para o lado governista. Na soma dos votos, Police Neto tem agora apoio de 30 dos 55 vereadores.

As saídas abalaram o bloco de Rodrigues, que passou a estudar à tarde um nome do PT para a sucessão. Dessa forma, conseguiria angariar de volta os votos dos dois vereadores do PCdoB que também mudaram para o lado de Kassab, Netinho de Paula e Jamil Murad, que seriam orientados pelo partido a votar no PT - petistas e comunistas mantêm acordo de aliança nacional e estadual desde 2002.

O nome apresentado pelo PT como opção ao PCdoB foi o do vereador Chico Macena. Mas não houve acordo com os comunistas, que rejeitaram qualquer composição com a candidatura do "centrão", após reunião com o presidente do diretório municipal do PT, vereador Antonio Donato. "A chance de o Chico ser candidato era para atrair o PCdoB de volta. Mas não houve acordo", anunciou o líder do PT e aliado do "centrão", José Américo.

Antes, pela manhã, uma possibilidade também avaliada pelos comandados de Rodrigues foi convidar Netinho de Paula a abandonar o grupo de Police Neto para sair candidato à presidência pelo "centrão". Não houve acordo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.