CENÁRIO: Um esquema de segurança igual ao montado para Obama

Helicópteros e operadores de drones deverão consultar o controle de aproximação de voo em Porto Alegre antes da decolagem em helipontos

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2018 | 03h00

Correções: 23/01/2018 | 10h44

Um esquema de segurança presidencial. E de presidente de superpotência, desses que trabalham em escritórios ovais e têm arsenais nucleares ao alcance de um botão. Embora o secretário Cezar Schirmer tenha sido cuidadoso ao tratar dos números, oficiais da inteligência da Brigada Militar, a PM do RS, confidenciavam nesta segunda-feira, 22, que há cerca de 4,5 mil agentes mobilizados para atender ao esquema de segurança no Parcão. Boa parte deles envolvida na operação há mais de uma semana.

O polígono de segurança, delimitando um perímetro no parque entre três avenidas e o Rio Guaíba, terá atiradores de precisão, os snipers, distribuídos em edifícios e torres. Oficialmente estarão lá como observadores, equipados com câmeras fotográficas.

Mas os fuzis pesados serão levados para os postos. Um sniper pode atingir seu alvo a até 800 metros de distância.

O efetivo é do mesmo tamanho que o montado para a proteção do presidente Barack Obama em visitas ao Brasil. Nesta segunda, os agentes de segurança aos quais Lula têm direito pela sua condição de ex-chefe de Estado fizeram uma simulação, a pé e de carro, dos deslocamentos que serão feitos nesta terça-feira, 23, pelo ex-presidente. Estabeleceram o tempo ideal de permanência nos locais e definiram as rotas de escape em caso de crise extrema.

O círculo de restrição aérea será igual ao de Curitiba, em 2017, e vai abranger o espaço sobre a área do polígono a contar do prédio do TRF-4. É uma regra rígida. Helicópteros e operadores de drones deverão consultar o controle de aproximação de voo em Porto Alegre antes da decolagem em helipontos. O esquema já está valendo e vai durar até 7 horas de quinta-feira. 

Correções
23/01/2018 | 10h44

Diferente do publicado, o presidente Barack Obama não esteve no Rio nas Olimpíada de 2016. As visitas do líder norte-americano ao País aconteceram em 2011 e 2017, no Rio e em São Paulo, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.