CENÁRIO: Disputa entre padrinho e afilhado deixou os bastidores

Alckmin escancara seu projeto e deixa Doria em situação delicada

Alberto Bombig, O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2017 | 05h00

A afirmação do governador Geraldo Alckmin na semana passada no sentido de que não está disposto a abrir mão do direito de concorrer novamente à Presidência emparedou João Doria. Até então, ambos se movimentavam pela candidatura, mas evitavam assumir em público suas ambições planaltinas. Para Doria, esse era o melhor dos mundos: uma disputa velada na qual ele ganhava tempo para acumular apoios e aumentar seu cacife nas pesquisas eleitorais, enquanto cumpria a missão conferida pelo eleitor de ser prefeito de São Paulo.

A partir de agora, no entanto, Alckmin escancarou seu projeto e deixou o afilhado político em situação delicada. Eterno defensor das prévias dentro do PSDB, Alckmin tem legitimidade e densidade política para pleitear a consulta antecipada ao partido. O problema, nesse caso, para Doria é o enorme constrangimento de ter de bater chapa com o padrinho que bancou sua candidatura a prefeito, contra a vontade de José Serra e Fernando Henrique Cardoso. Por isso, ele descarta disputar as prévias com Geraldo Alckmin. O que resta ao prefeito? Trabalhar para subir feito foguete nas pesquisas e contar com uma procissão de aliados (de dentro e de fora do PSDB) rumo ao Bandeirantes para convencer Alckmin a desistir da ideia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.