1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Eleições 2014

CE: conflito com o PROS desafia irmãos Gomes na eleição

LUCIANA NUNES LEAL - Agência Estado

16 Maio 2014 | 16h 05

Nas eleições do Ceará, os irmãos Cid e Ciro Gomes, principais líderes políticos do Estado, enfrentarão dois ex-aliados, Eunício Oliveira (PMDB), pré-candidato ao governo, e Tasso Jereissati (PSDB), que deverá disputar o Senado. O maior problema que os irmãos têm para resolver no momento, porém, são os conflitos internos. Cid, governador, e Ciro, secretário estadual de Saúde, estão em guerra com a direção nacional do PROS, partido para onde migraram em outubro passado, depois de deixarem o PSB por discordarem da candidatura de Eduardo Campos à Presidência da República.

Os irmãos acusaram parte da bancada de deputados do PROS de "chantagem", por ter exigido a saída do ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira, ligado a Cid. O líder do partido na Câmara, Givaldo Carimbão (AL), e outros deputados ameaçam abandonar a reeleição da presidente Dilma Rousseff e embarcar na campanha de Eduardo Campos. "Abomino qualquer tipo de chantagem. Recebi muitos convites quando decidi sair do PSB e sou grato por isso. A condição básica era o apoio a Dilma, o que foi garantido pelo PROS. Que diabo é isso agora? Estão com ciúme porque sou amigo da Dilma? ", reagiu Cid, em entrevista ao Estado.

O governador ainda não decidiu quem será o candidato do PROS à sua sucessão. Diz não ter pressa e que "quem deve iniciar o processo eleitoral é a oposição". Há duas semanas, o PMDB deixou o governo do Estado e fortaleceu a pré-candidatura do senador Eunício Oliveira, líder isolado na pesquisa Ibope/O Povo publicada em 5 de maio. No pior desempenho, o peemedebista tem 42% e a petista Luizianne Lins, ex-prefeita de Fortaleza, chega a 12%. O PT cearense é dividido entre o grupo liderado por Luizianne, adversária dos irmãos Gomes, e a ala do deputado José Guimarães, próximo do governador. Se Cid e Ciro optarem por deixar o PROS ou ficarem isolados no partido, a alternativa será apoiar um candidato petista próximo de Guimarães.

Eleito senador em 2010 na chapa de reeleição de Cid Gomes, Eunício diz que tinha a promessa do governador de apoiá-lo este ano, mas que o ex-aliado não se manifestou, quando foi procurado, em meados de abril. "Entendi o silêncio de Cid como uma resposta negativa", afirma.

Outro protagonista da eleição no Ceará deverá ser o tucano Tasso Jereissati, que rompeu com os irmãos Gomes em 2010, depois de vinte anos de aliança. Derrotado na disputa pelo Senado, o ex-governador e ex-senador foi pressionado pelo pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, a abrir um palanque no Estado de 6,1 milhões de eleitores - oitavo colégio eleitoral do País. Tasso não aceita disputar o governo, mas concordou em ser candidato a senador. Pode se aliar a Eunício ou formar uma chapa com o ex-deputado e ex-prefeito de Maracanaú Roberto Pessoa, do PR. O nome de Tasso também faz parte da longa lista de possíveis candidatos a vice de Aécio.

O cenário de candidaturas está incerto, mas os eleitores não têm dúvida em apontar saúde e segurança como os principais problemas do Ceará. O aumento da violência no Estado domina a pré-campanha. O governador reclama do "uso eleitoral" pela oposição, mas reconhece que o aumento dos homicídios é preocupante. O PSDB levou o tema para as inserções do partido no rádio e na TV.

Eleições 2014