1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cardozo diz que Delcídio não tem credibilidade para fazer acusações

- Atualizado: 03 Março 2016 | 11h 47

'O senador Delcídio, lamentavelmente, depois de todos os episódios, não tem credibilidade para fazer nenhuma afirmação', afirmou o novo ministro da Advocacia-Geral da União

José Eduardo Cardozo e Dilma
José Eduardo Cardozo e Dilma

Brasília - Agora advogado-geral da União, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo disse na manhã desta quinta-feira, 3, que o senador Delcídio Amaral (PT-MS) não tem credibilidade para fazer acusações e que sua delação pode ser uma retaliação ao governo por não tê-lo ajudado a deixar a prisão. "O senador Delcídio não tem primado por dizer a verdade", afirmou Cardozo após a cerimônia que oficializou sua saída do MJ e ingresso na AGU.

De acordo com a revista IstoÉ, Delcídio teria dito em delação premiada que a presidente Dilma tentou atuar ao menos três vezes para interferir na Operação Lava Jato por meio do Judiciário. "É indiscutível e inegável a movimentação sistemática do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo e da própria presidente Dilma Rousseff no sentido de promover a soltura de réus presos na operação", afirmou Delcídio na delação, segundo a revista. Cardozo deixou esta semana o ministério alegando sofrer pressões do PT.

Veja a trajetória política de Delcídio Amaral
André Dusek/Estadão
Delcídio Amaral

Natural de Corumbá, no Mato Grosso do Sul, Delcídio Amaral se formou engenheiro eletricista pela Escola de Engenharia de Mauá, em e participou da construção e montagem da Usina de Tucuruí, no Pará, obra que durou de 1976 a 1984. Depois de passagem pela Shell, na europa, foi diretor da Eletrosul em 1991, estatal responsável pelo planejamento energético da região sul. Foi ministro de Minas e Energia do governo Itamar Franco, de setembro de 1994 a janeiro de 1995

"O senador Delcídio, lamentavelmente, depois de todos os episódios, não tem credibilidade para fazer nenhuma afirmação", afirmou Cardozo, salientando que ainda não leu a reportagem e colocando em dúvida a existência de uma delação premiada. "Se for o que estão dizendo o que ele disse, que houve uma articulação para nomear juízes, isso é um verdadeiro absurdo, tanto que estão presos os réus", disse o novo advogado-geral da União.

Na delação, Delcídio teria citado também o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e detalhado os bastidores da compra da refinaria de Pasadena pela Petrobrás. As primeiras revelações do ex-líder do governo fazem parte de um documento preliminar da colaboração. Nessa fase, o delator indica temas e nomes que pretende citar em seus futuros depoimentos após a homologação do acordo. Delcídio foi preso no dia 25 de novembro do ano passado acusado de tentar atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e solto no dia 19 de fevereiro.

O senador foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Supremo pela tentativa de atrapalhar investigações. Em conversas gravadas pelo filho do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, o senador aparece negociando o silêncio do ex-diretor da estatal. Nas gravações, Delcídio sugere uma rota de fuga e dinheiro à família de Cerveró, para não ser mencionado em eventual acordo de delação premiada. Na delação, de acordo com a revista, o senador teria negociado com Cerveró a mando do ex-presidente Lula.  

Desde que deixou a prisão, o senador vinha afirmando que não faria acordo de delação premiada, pois iria "reescrever" sua história "sem revanchismo".

Cardozo considerou a suposta delação uma retaliação ao governo. "Recebíamos muitos recados, inclusive alguns foram publicados, em que se falava que, se o governo não agisse para tirá-lo da prisão, ele faria retaliações. Se efetivamente houve (delação), há uma forte possibilidade de ser retaliação, até porque isso foi anunciado previamente. Se o governo não fizesse nada para ele sair da cadeia, ele retaliaria", disse o ministro, informando que, após ler a reportagem da revista, voltaria a se pronunciar.

Cardozo também negou ter atuado a mando de Dilma para interferir na Lava Jato. "Jamais (atuei). A postura sempre foi a mesma que eu tinha com a Polícia Federal, independência de apuração e de julgamento. Aliás, os réus estão presos. Que articulação é esta que o STJ mantém as prisões?  Se é verdade que ele fez a delação premiada, a possibilidade de mais uma vez ele ter faltado com a verdade é grande", afirmou José Eduardo Cardozo.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX