Diego Vara/Reuters
Diego Vara/Reuters

Caravana de Lula cancela ato em Passo Fundo

Em nota, PT condena 'omissão' do governo gaúcho em protesto que obrigou ex-presidente a cancelar comício em Passo Fundo

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

24 Março 2018 | 00h48

Em nota divulgada na noite desta sexta-feira, 23, a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), culpou o que chamou de "omissão do governo do Rio Grande do Sul", comandado pelo MDB, pela violência que obrigou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a cancelar um ato público em Passo Fundo (RS). 

Os manifestantes esperaram Lula ainda na estrada que dava acesso à cidade munidos de correntes, chicotes, barras de ferro, paus e ovos. Muitos apoiadores do deputado Jair Bolsonaro (RJ), pré-candidato do PSL ao Planalto, usaram tratores para impedir a passagem do ex-presidente. Vários pneus foram queimados na rodovia.

"Diante da violência das milícias fascistas e da omissão do governo do Rio Grande do Sul, que não conteve esta violência, a caravana do ex-presidente Lula não participou do ato público realizado na tarde desta sexta-feira, 23, na cidade de Passo Fundo, noroeste do Estado", afirmou Gleisi, na nota. "Mesmo alertado com antecedência e oficialmente sobre a violência programada contra a caravana, o governo do Rio Grande do Sul não impediu que os grupos se formassem nem mobilizou o efetivo policial necessário para conter os agressores."

+++ MBL e Vem pra Rua convocam atos pela prisão de Lula

A presidente do PT disse, ainda, que o comando da Brigada Militar "simplesmente se declarou incapaz" de garantir a integridade física de Lula, da ex-presidente Dilma Rousseff, que o acompanhava, e dos integrantes da caravana, embora o governo gaúcho tivesse sido avisado com antecedência sobre as ameaças. "O país não pode conviver com a violência destes setores autoritários, que usam métodos fascistas para calar e interditar aqueles de quem discordam", escreveu Gleisi. "E o Estado não pode se omitir perante estes atentados, que não atingem apenas o PT, mas agridem a democracia e a liberdade." 

A reportagem tentou contato com o governo do Rio Grande do Sul às 22h30 desta sexta-feira, 23, após a divulgação da nota, mas ninguém foi localizado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.