Agência Brasil
Agência Brasil

Capilaridade da Saúde atrai peemedebistas

Além de orçamento robusto, acesso direto da pasta a municípios e Estados chama a atenção do partido

Ligia Formenti , O Estado de S. Paulo

04 Outubro 2015 | 05h00

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde sempre esteve na lista de desejos do PMDB. O que torna a pasta tão atrativa, além de um orçamento robusto, é a sua capilaridade e o poder diante de prefeitos e governadores. Algo essencial sobretudo agora, diante da proximidade das eleições municipais.

Desde o início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, setores do PMDB estão de olho no que consideram o filé da área: a administração de hospitais federais e institutos no Rio. 

“Boa parte da verba do ministério é transferência automática, não dá para mexer. Os hospitais federais dão mais autonomia. São o local ideal para abrigar grupos próximos, fazer contratos de ocasião”, afirma um administrador, que pediu anonimato. “Ali é preciso estar sempre de olho. Sai um grupo, entra outro.”

Este ano, o orçamento do Ministério da Saúde é de R$ 121 bilhões. Do total, R$ 3,5 bilhões foram reservados para a administração dos hospitais do Rio. O desejo de controlar essa fatia não foi atendido e o apetite aumentou. “O interesse não era à toa. Agora terão toda a pasta.” 

A Fundação Nacional de Saúde, que em 2008 foi chamada de corrupta pelo então ministro José Gomes Temporão (ele também indicado pelo partido), não pode ser considerada uma conquista. Há anos ela é classificada como reduto do PMDB, que ocupa postos importantes da fundação tanto em Brasília quanto nos escritórios espalhados pelo País.

Embora vitrine, a pasta também é fonte de crises. Descontentamento de prestadores de serviços por valores baixos pagos por procedimentos, surtos, problemas nos planos de saúde são alguns dos percalços que boa parte dos ministros tem de lidar. O baque na popularidade - mesmo por dificuldades provocadas por falhas de esferas municipais e estaduais - invariavelmente é sentido por ministros. 

Essas crises, no entanto, nunca são lembradas no momento da disputa pelo controle da pasta. Esta é a segunda vez que a área é cedida para PMDB em troca de apoio. A primeira vez foi em 2005, no governo Luiz Inácio Lula da Silva, com a crise do mensalão. Na época, saiu o ministro petista Humberto Costa para dar lugar ao deputado mineiro Saraiva Felipe. O movimento foi bem-sucedido. Os ânimos se acalmaram e o PT continuou no poder. Agora a situação se repete.

Ministro. Escolhido para ocupar a pasta pela bancada do PMDB na Câmara, o deputado federal Marcelo Castro (PMDB-PI) está em seu quinto mandato consecutivo. Formado em Medicina pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), em 1974, ele é doutor em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 

O novo ministro da Saúde já encabeça o movimento a favor da recriação da CPMF para o financiamento do setor. O peemedebista já defendeu inclusive que o chamado imposto do cheque seja permanente e propôs uma fórmula excêntrica na qual a taxa seria cobrada “tanto no crédito quanto no débito”.

Mais conteúdo sobre:
reforma ministerial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.