1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Candidatura de Pezão é 'inarredável', diz presidente do PMDB

Wilson Tosta - O Estado de S. Paulo

13 Janeiro 2014 | 16h 34

Senador Valdir Raupp (RO) descartou a possibilidade de o partido abrir mão de ter candidato próprio ao governo do Rio para apoiar o PT

Rio - O presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), afirmou na tarde de desta segunda-feira, 13, que a candidatura do vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, ao governo do Rio é "competitiva" e "inarredável" e repeliu a possibilidade de o partido abrir mão da cabeça de chapa no Estado para apoiar o PT.

"Isso não se discute", disse ele, repudiando, indiretamente, a proposta do presidente do PT do Rio, Washington Quaquá, de fazer uma coligação PT-PMDB, com o senador Lindbergh Farias como candidato a governador e o hoje governador Sérgio Cabral Filho concorrendo ao Senado.

Raupp desconversou, porém, quanto à possibilidade de o PMDB do Rio não apoiar a candidatura da presidente Dilma Rousseff à reeleição se, no Estado, os petistas não apoiarem Pezão - ameaça que tem sido feita pelos peemedebistas fluminenses."Acho muito cedo para discutir a questão de apoiamentos", declarou.

"A princípio, o PMDB e o PT têm uma aliança sólida no nível nacional e todo o nosso esforço é para que essa aliança se projete também nos Estados. Como foi no passado aqui no Rio de Janeiro. O PMDB do Rio sempre apoiou o presidente Lula, a presidente Dilma. A gente entende que o tempo vai se encarregar de continuar estreitando essa aliança."

Já o presidente do PMDB do Rio, Jorge Picciani, afirmou que, em nome da aliança, Cabral poderá abrir mão da candidatura ao Senado. "O governador, como líder do partido, colocou seu nome à disposição para disputar o Senado, mas tem colocado internamente que a prioridade é vencer as eleições para governador e manter a parceria nacional entre PT e PMDB e estadual PMDB-PT", declarou. "Portanto, abre aí a possibilidade, por mais que tenha o esforço de seus companheiros de que ele não deva abrir mão."

Raupp e Picciani falaram no Palácio Guanabara, sede do governo fluminense, e foram os únicos a dar entrevista após almoço que ali reuniu dirigentes nacionais e locais do partido. Entre os que saíram sem falar com jornalistas, estavam o vice-presidente da República Michel Temer, o prefeito Eduardo Paes e o próprio Cabral.