Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política » Candidato do PCB do RJ ao Senado tem bom desempenho

Política

Candidato do PCB do RJ ao Senado tem bom desempenho

Um candidato do PCB, partido que desde Luís Carlos Prestes (1898-1990) não tem um representante no Senado, ocupa a terceira posição nas pesquisas de intenção de voto no Rio: o professor universitário Eduardo Serra, 58 anos, aparece com 8%, à frente do ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi (PDT), com 5%. Pouco conhecido, o comunista rechaça a possibilidade de que estaria sendo confundido pelo eleitorado com o homônimo de sobrenome José Serra (PSDB), ex-governador de São Paulo e duas vezes candidato à Presidência da República.

0

TIAGO ROGERO,
Estadão Conteúdo

20 Agosto 2014 | 19h17

O carioca, segundo a mais recente pesquisa do Datafolha para o Senado, está atrás de Romário (PSB), com 29%, e Cesar Maia (DEM), 23%. Serra credita a posição de destaque ao fato de ter ficado "conhecido" após concorrer à Prefeitura do Rio, em 2008 (teve 2,6 mil votos, 0,8%), e ao governo estadual, em 2010 (11,3 mil votos, 0,14%). Os 8% na pesquisa do Datafolha divulgada na segunda-feira representam nas urnas quase um milhão de votos (971 mil).

Em seu perfil no Facebook, criado em junho, Serra tinha até esta quarta-feira modestas 661 "curtidas" - 0,05% do que tem Romário (1,3 milhão), 2,32% do que tem Cesar Maia (28,4 mil), mas não muito distante de Lupi, com 867 "curtidores". "Não tem nada a ver com José Serra. O que acontece é que os votos de esquerda e progressistas estão convergindo para nossa candidatura", disse Serra, o Eduardo, que entregou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) previsão de gastos de R$ 100 mil; até agora, segundo suas contas, gastou entre R$ 6 e 7 mil. Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Serra declarou dois bens: um apartamento na Tijuca (zona norte do Rio), de R$ 400 mil, e um Gol modelo 2001, de R$ 11 mil.

Pesquisa

No interior do Estado, Serra tem números ainda melhores: 11% das intenções de voto, ante 3% de Lupi, que, além de ministro de Lula e Dilma, foi deputado federal. Entre os entrevistados com nível superior, os candidatos estão empatados: 5%. A vantagem volta entre os de ensino fundamental (10% a 4%) e médio (8% a 5%). Resultado semelhante se observa em relação à renda: até dois salários mínimos, Serra tem 9% e Lupi, 3%; estão empatados na preferência dos que ganham entre 5 e 10 salários mínimos, mas, para quem ganha acima de 10, Serra retoma a vantagem: 7% a 2%. A margem de erro é de 3 pontos porcentuais, para mais ou para menos.

Divorciado, pai de uma garota de 16 anos, o comunista leciona na UFRJ, onde se formou engenheiro, fez mestrado e doutorado. Começou na política nos anos 1970, em movimentos estudantil e sindical. No fim daquela década, ingressou no PCB. A primeira eleição foi disputada em 2008, quando concorreu à prefeitura. "Naquela eleição foram poucos votos, mas na de governador cheguei a ter 3% das intenções durante a campanha, mas no fim o número caiu".

A campanha, explicou Serra, é anticapitalista. "Queremos a reestatização das empresas privatizadas nos anos 1990 e a estatização de grandes empresas estratégicas, como a Monsanto", disse, referindo-se à multinacional de agricultura e biotecnologia, sediada nos EUA e presente no Brasil. Mesmo com uma só vaga em disputa e ainda longe de Romário e Cesar Maia, Serra parece acreditar na vitória: "Há espaço para mais crescimento entre a esquerda e os progressistas. Quem vai votar na Dilma, por exemplo, pode votar no Eduardo Serra para o Senado, mesmo sabendo que fazemos oposição a ela".

Mais conteúdo sobre: