1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Campos admite que PSB discute alterações no estatuto do partido

Marcelo Portela - O Estado de S.Paulo

05 Maio 2014 | 15h 48

Alguns trechos do manifesto estariam saendo usados em ataques à sigla na internet

BELO HORIZONTE - O provável candidato do PSB à Presidência, o ex-governador Eduardo Campos (PE), assumiu nesta segunda-feira, 5, a possibilidade de o PSB fazer um debate para alteração do estatuto do partido, que defende ideário socialista com restrições à propriedade privada dos meios de produção.

"O partido já estava fazendo, a nosso pedido, um debate sobre a reforma do estatuto. Estamos preparando um programa de governo que tem claros compromissos com a ordem econômica que está aí, com a estabilização da economia", disse Campos.

Mas o pernambucano, que preside o PSB, salientou que tem uma posição "de respeito a um documento histórico do partido", feito em 1947, e que a questão é "forçada de barra".

"A história e a vida do nosso partido falam por si só. Nossas posições sobre essa matéria já estão claramente colocadas nos programas que apresentamos para o Brasil, na nossa posição na Assembleia Nacional Constituinte, nas nossas posições no Congresso Nacional", concluiu.

Segundo matéria da Folha de S. Paulo, o coordenador da campanha de Campos, Alon Feuerwerker, teria enviado um e-mail questionando a possibilidade de alterar os trechos que estão sendo usados em ataques ao partido na internet.

Diferenças. Em série de eventos em Belo Horizonte, Campos voltou a declarar que, nos debates eleitorais que vão preceder o pleito de outubro, vão ficar "muito claras" as diferenças entre ele e o presidenciável do PSDB, senador Aécio Neves (MG). Mas afirmou que vai mostrar os pontos que os distinguem com "respeito", tanto ao tucano quanto à principal adversária dos dois nas eleições, a presidente Dilma Rousseff.

"Somos de partidos diferentes, tempos posições diferentes sobre uma série de temas e acho que democraticamente vamos explicitar isso ao longo do debate", disse, referindo-se a Aécio. "À medida que a gente possa discutir o programa, as questões que nos diferenciam vão ficar muito claras. Que nos diferenciam do Aécio e da Dilma. Mas vamos fazer esse debate com muito respeito com a presidente Dilma, com o Aécio. O debate é no campo das ideias", acrescentou o socialista. No domingo, ele já havia se posicionado contrário a propostas de Aécio, segundo o qual o tucano e o socialista estarão juntos a partir de 2015.

Campos participou, na manhã de hoje, de cerimônia na Câmara de Belo Horizonte para receber título de cidadão honorário da capital de Minas, principal reduto eleitoral de Aécio e terra natal de Dilma. O plenário da Casa, com a imagem do pernambucano no telão, foi transformado em palanque para o ex-governador e o vereador Wendel Mesquita (PSB), que propôs a homenagem a Campos e deve se lançar candidato a deputado federal.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo