1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Câmara suspende mandato de deputado ligado a Cachoeira

Erich Decat - Agência Estado

23 Abril 2014 | 19h 43

Carlos Leréia (PSDB-GO) ficará 90 dias sem receber o salário; ele admitiu ser amigo de contraventor condenado por peculato, corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha

Brasília - Em sessão realizada nesta quarta-feira, 23, o plenário da Câmara aprovou a suspensão por 90 dias do mandato do deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO). A votação foi aberta e contou com 353 votos a favor da punição e 26 contra num quórum de 379 parlamentares.

O processo contra o deputado foi apresentado por integrantes da Mesa em dezembro de 2012, após a revelação de que ele mantinha relação próxima com o contraventor Carlinhos Cachoeira, condenado por peculato, corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha.

O processo também tinha como objetivo apurar possível envolvimento do deputado com os fatos investigados nas operações Monte Carlo e Vegas da Polícia Federal, nas quais um dos alvos era Carlinhos Cachoeira.

A penalidade imposta nesta a Leréia contou com apoio de praticamente todas as bancadas, incluindo o próprio PSDB, que orientou os tucanos a votar a favor da punição. O único partido que "liberou" a bancada foi o PT. Entre os integrantes da legenda está o deputado licenciado André Vargas (PR), que desde o início do mês enfrenta um processo disciplinar no Conselho de Ética da Casa. O caso do petista pode culminar em um pedido de cassação que também deverá ser decidido em votação aberta em plenário.

A decisão tomada contra Leréia teve como base o parecer aprovado pelo Conselho de Ética em setembro do ano passado, que sugeriu a suspensão do mandato pelos próximos três meses. Durante esse período, Leréia não deverá receber salário de cerca de R$ 28 mil.

Da tribuna, o tucano reconheceu a amizade com Carlos Cachoeira, a quem tratou de "Carlinhos" e "amigo pessoal". "Jamais omiti ou menti sobre essa relação que tenho antes de ser deputado", afirmou. Ao falar sobre os jogos de azar, o tucano classificou como "hipocrisia" a falta de uma regulamentação para o setor.

"Vivemos uma enorme hipocrisia neste País", ressaltou. "Em qualquer Estado da federação, no Rio de Janeiro, em Pernambuco, em Minas Gerais, Goiás, São Paulo, sabem os que mexem com jogo. Mas não mexem de agora, há anos herdaram dos avós, dos bisavós, dos pais e continuaram. Essa questão de jogo tem que ser discutida no Brasil", acrescentou. Após o discurso do tucano, não houve pronunciamento contra ou a favor do deputado e a discussão foi encerrada.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo