1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Câmara não vai 'armar' pautas bombas, diz Alves

RICARDO BRITO, RICARDO DELLA COLETTA E DAIENE CARDOSO - Agência Estado

03 Fevereiro 2014 | 19h 01

Em um pronunciamento em tom de desabafo de abertura dos trabalhos legislativos do ano, o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), afirmou nesta segunda-feira, 03, que não poderia "aceitar calado" que se queiram acusar o Legislativo de interesse em votar projetos que possam causar impactos fiscais para o governo. "Quero aqui registrar que esta Casa jamais armaria bombas ou pautas bombas para qualquer matéria", disse. "A discussão neste plenário não é para armar, é para desarmar", completou ele.

No ano passado, a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, chegou a estimar em R$ 60 bilhões o impacto para os cofres públicos das propostas que aumentam gastos. A principal delas é a que institui pisos salariais nacionais para categorias, como agentes comunitários e agentes penitenciários. Numa referência à época da ditadura militar, quando o Parlamento chegou a ser fechado, o presidente da Câmara disse que, como parlamentar com 42 anos nesta Casa, o Legislativo sempre esteve de portas abertas nos momentos em que o País se aquietava e se afligia. "Esse verbo armar está equivocado, é injusto com esse parlamento, deve-se falar em desarmar. Esta Casa não vai permitir (isso)", completou.

A sessão contou com a presença do novo ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, responsável por trazer a mensagem presidencial, os presidentes do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), entre outras autoridades.