1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Oposição vê fragilidade de Dilma e pressionará STF por liberação de rito

- Atualizado: 08 Março 2016 | 07h 20

Partidos contrários à presidente avaliam que avanço da Lava Jato reverteu jogo de forças do impeachment e pedirá ao Supremo rapidez na conclusão da análise feita pela Corte sobre o caminho que o afastamento da petista deve percorrer no Congresso

Plenário do Supremo Tribunal Federal
Plenário do Supremo Tribunal Federal

Brasília - O Supremo Tribunal Federal começou a divulgar nesta segunda-feira, 7, o resultado do julgamento do rito do impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso, o que motivou a oposição a buscar uma reaglutinação de forças na tentativa de aproveitar o que considera ser um momento de fragilidade do Planalto. O complemento do acórdão deve ser publicado hoje no Diário de Justiça Eletrônico e amanhã abre-se prazo de cinco dias para apresentação de recursos.

Com a publicação, a oposição decidiu ampliar a pressão sobre o STF para que a Corte acelere o julgamento dos recursos sobre o rito de impedimento de modo que a comissão do impeachment possa ser instalada na Câmara o quanto antes. Na avaliação da oposição, os últimos episódios da Lava Jato deram novo fôlego à tese do impedimento da presidente, que havia perdido força desde que o STF impôs derrota ao rito de impeachment indicado pela Câmara, em 17 de dezembro do ano passado.

O processo de afastamento de Dilma no Congresso foi aberto com base nas pedaladas fiscais do governo, manobra que consiste no atraso de repasses a bancos públicos a fim de cumprir metas orçamentárias.

Recurso. Líderes de partidos de oposição reúnem-se no fim da tarde de hoje com o presidente do Supremo, ministro Ricardo Lewandowski. Eles querem que a Corte se manifeste sobre questões feitas pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em recurso apresentado no início do ano e que será reiterado hoje, para que, segundo o peemedebista, não haja questionamento de tempestividade. “Se não houver a reiteração, aquele (recurso) não pode ser considerado”, disse o ministro Marco Aurélio Mello.

Caberá ao ministro Luís Roberto Barroso, que apresentou o voto seguido pela maioria do STF, analisar os recursos que forem protocolados nos próximos dias e pedir a inclusão do caso na pauta do colegiado. Na Corte, a intenção dos ministros é dar resposta breve ao caso, respeitados os prazos previstos nos termos da lei.

Cunha e oposicionistas voltaram a conversar sobre o tema. O peemedebista disse que só dará seguimento ao processo depois que o Supremo tiver uma resposta aos embargos. Apesar da pressa, a oposição concordou. A expectativa é de que o plenário do Supremo aprecie os embargos em 15 dias, o que levaria a Comissão Especial a ser instalada somente em abril. Por esse cálculo, deputados só votariam o impeachment em maio.

“Se não tivesse (o Supremo) cometido aquela intervenção que deu inveja aos golpistas militares, o Brasil teria um novo presidente. Se eles (ministros) segurarem (a resposta ao recurso) serão os responsáveis pelo agravamento da crise”, afirmou Darcísio Perondi (RS), da ala oposicionista do PMDB.

Depoimento. A estratégia foi definida em reuniões dos oposicionistas ontem. Eles combinaram que só farão o aditamento ao pedido de impeachment após o STF homologar a delação premiada do ex-líder do governo no Senado Delcídio Amaral (PT-MS), na qual ele acusa Dilma de interferir na Operação Lava Jato ao trabalhar pela nomeação de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A presidente repudiou as afirmações e negou qualquer tentativa de interferir na operação.

Em outra frente, a oposição estuda apresentar ao STF uma representação para que se abra investigação sobre as denúncias feitas a respeito de Dilma.

No plenário, a intenção dos oposicionistas é obstruir todas as votações, até mesmo a de projetos defendidos pela oposição. “O que a sociedade brasileira espera do Congresso é a instalação da comissão do impeachment, e o Senado, em solidariedade a esse sentimento nacional e à nossa atitude na Câmara, vai fazer um trabalho na mesma direção”, afirmou o líder do PSDB na Câmara, deputado Antônio Imbassahy (BA).

O discurso oficial dos representantes do Palácio do Planalto é de que é preciso dar seguimento à pauta da Casa. Mas, nos bastidores, admitem que a obstrução é benéfica, pois a situação do governo poderia levar a derrotas em matérias perigosas, como a que aumenta de 15% para 19,4% o porcentual mínimo que a União é obrigada a investir em Saúde.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX