Rodrigo Felix/Gazeta do Povo
Rodrigo Felix/Gazeta do Povo

Cabral pede para desmarcar audiência para fazer o Enem

Segundo advogado, ex-governador deve tentar o curso de História; pedido foi aceito pelo juiz Marcelo Bretas

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2017 | 19h11

RIO - O ex-governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), pediu nesta quinta-feira, 7, que as audiências previstas para os próximos dias 12 e 13 sejam desmarcadas para ele poder fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).  O pedido foi aceito pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. De acordo com o advogado de Cabral, Rodrigo Roca, o ex-governador deverá tentar o curso de História.

+++ Homem da mala de Cabral delata ex-governador

Ainda segundo o advogado, para três dias de estudo no curso, ele tem remissão de um dia de pena. A mulher de Cabral, Adriana Ancelmo também já fez o mesmo pedido. 

+++ A denúncia que pega Picciani, Melo e Albertassi na Cadeia Velha

No fim da audiência desta quinta, 7, Cabral também brincou com Bretas sobre a derrota do Flamengo (time do juiz) para o Independiente, time argentino. Bretas rebateu dizendo que sabia que o ex-governador era vascaíno e citou as festas feitas no morro próximo a Benfica, na zona norte do Rio, onde fica a cadeia em que Cabral está preso.

+++ 'Não sou Adhemar de Barros que rouba, mas faz. Eu realizei', diz Cabral

A audiência tratou do processo da Operação Ratatouille, que aponta que empresário Marco de Luca pagou, entre os anos de 2007 e 2016, R$ 16,7 milhões em propina a Cabral para obter benefícios em contratos com o governo do Rio de Janeiro. Foram contabilizados 82 pagamentos mensais aos operadores do ex-governador, Carlos Miranda e Luiz Bezerra, no valor aproximado de R$ 200 mil.

+++ Empresas de ônibus repassaram R$ 250 milhões em propina a políticos

Para o MPF, a continuidade dos pagamentos até a prisão de Cabral, mesmo após ele ter deixado o cargo, demonstra a influência política que o ex-governador ainda exercia sobre a administração. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.