1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Busca por avião da Malásia entra em nova fase

MATT SIEGEL - Reuters

28 Abril 2014 | 10h 11

Tornou-se altamente improvável encontrar destroços flutuantes do avião desaparecido da Malaysia Airlines, e por isso uma nova fase das buscas abrangerá uma área bem maior do leito do oceano Índico, disse o primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, nesta segunda-feira.

O Boeing desapareceu em 8 de março na rota Kuala Lumpur-Pequim, com 239 pessoas a bordo. Dados de satélites e sinais eletrônicos atribuídos às caixas-pretas levam os especialistas a acreditar que o avião mudou de rota e voou durante várias horas até cair no Índico, cerca de 2.000 quilômetros a oeste da Austrália, mas as buscas até agora foram totalmente infrutíferas.

Abbott disse que, por causa do longo tempo transcorrido, as buscas visuais serão abandonadas, e a prioridade será vasculhar o leito marinho com um submarino teleguiado. Mas ele admitiu que o avião talvez nunca seja encontrado.

"Faremos o que for humanamente possível, o que pudermos razoavelmente fazer, para resolver esse mistério", disse ele a jornalistas em Canberra.

Malásia, China, Japão, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Grã-Bretanha e Estados Unidos auxiliam a Austrália na mais cara operação de busca da história da aviação. As autoridades malaias não descartam a hipótese de um problema mecânico, mas trabalham principalmente com a hipótese de que o avião foi deliberadamente desviado da sua rota.

Após semanas de buscas na superfície, as autoridades vinham priorizando nos últimos dias o uso do submarino teleguiado Bluefin-21, dos EUA, em uma área de 10 quilômetros de onde teria se originado um sinal eletrônico captado em 4 de abril, e atribuído às caixas-pretas.

Os instrumentos de registro dos dados e conversas do voo emitem um sinal eletrônico para facilitar sua localização, mas sua bateria já se esgotou há várias semanas. As primeiras buscas do Bluefin-21 no leito marinho não revelaram sinais do avião.

"Ainda estamos intrigados e frustrados por não termos conseguido encontrar destroços submarinos com base nessas detecções", disse Abbott a jornalistas.

Segundo ele, a nova área de buscas, um corredor de 700 x 80 quilômetros, pode levar seis a oito meses para ser vasculhada, a um custo estimado de 56 milhões de dólares para a Austrália.

Até agora, a operação foi essencialmente militar, mas Abbott disse que a Austrália e a Malásia deverão contratar uma ou mais empresas privadas para as buscas.