José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Beto Albuquerque reafirma que uso do avião está 'claro'

Mas o vice de Marina admitiu que "não está clara a compra da aeronave", numa referência à transação feita entre o Grupo Andrade e empresários de Alagoas

GUSTAVO PORTO, Estadão Conteúdo

28 Agosto 2014 | 18h50

O candidato a vice-presidente na chapa do PSB, Beto Albuquerque (PSB), voltou a poupar Marina Silva de responder sobre possíveis irregularidades sobre o avião que caiu com o ex-candidato Eduardo Campos e outras seis pessoas no último dia 13. Ele respondeu às indagações dirigidas a Marina e afirmou que o uso do avião está "claro". Mas admitiu que "não está clara a compra da aeronave", numa referência à transação feita entre o Grupo Andrade e empresários de Alagoas.

"Sobre a compra do avião, vocês devem procurar os proprietários, que têm nome, sobrenome e endereço", disse. "Os custos até a queda serão lançados na prestação de contas do Eduardo, que será encerrada com a morte do candidato".

Questionado se o partido não investigou a origem do avião, Albuquerque disse que uma apuração como essa seria semelhante a entrar num táxi e perguntar ao dono se o veículo é roubado. "Houve a oferta do avião, isso foi pago e agora cabe à Justiça", disse.

Albuquerque reafirmou que o PSB fará o ressarcimento dos créditos e débitos pela utilização da aeronave e que a legenda tem todo interesse que a Polícia Federal e o Ministério Público aprofundem as investigações tanto sobre a compra como sobre as causas do acidente.

O vice cobrou ainda que o Ministério Público Federal em Santos investigue a suspeita de que a queda do avião possa ter sido causada por um choque com um drone. "Isso precisa ser esclarecido e não pode ser colocado embaixo do tapete", disse.

O candidato a vice disse ainda que não crê que haja irregularidade na concessão de benefícios fiscais à Bandeirantes Companhia de Pneus LTDA, uma das empresas que teriam adquirido a aeronave. Em 2011, quando era governador de Pernambuco, Eduardo Campos retirou limites de importação de pneus para a empresa, medida que havia sido definida em um governo anterior ao dele. "Fazer link com essa ação tomada em 2011 pode ser uma ilação", afirmou Albuquerque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.