Berlusconi diz que caso Battisti está 'longe de terminado'

Premiê italiano expressou 'profunda tristeza' com recusa de Lula em extraditar ex-ativita político.

BBC Brasil, BBC

31 Dezembro 2010 | 14h36

Cesare Battisti foi condenado na Itália por acusações de homicídio

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, expressou "profunda tristeza" com a recusa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em extraditar o ex-ativista político Cesare Battisti à Itália, mas disse que o caso está "longe de terminado".

"Expresso profunda tristeza e pesar pela decisão do presidente Lula de negar a extradição do homicida Cesare Battisti, apesar dos insistentes pedidos e solicitações de todos os níveis por parte da Itália", afirmou Berlusconi em nota oficial.

O premiê disse que "continuaria a batalha para que Battisti seja entregue à Justiça italiana".

"Considerem que o assunto está longe de terminado: a Itália não desistirá e defenderá seus direitos em todas as localidades".

A decisão de Lula também foi criticada pelo ex-primeiro-ministro italiano Massimo D'Alema. Em entrevista ao canal de TV Sky TG24, ele disse que o "governo brasileiro cometeu um sério erro ao garantir asilo político a uma pessoa que não merece o status de refugiado".

Imprensa italiana

A imprensa italiana também deu destaque ao caso. Com o título "Battisti, Lula diz não à extradição", uma reportagem no site do Corriere della Sera, o maior jornal italiano, diz que o presidente brasileiro "decidiu seguir uma orientação da Advocacia Geral da União que era contrária ao reenvio à Itália do ex-terrorista do PAC (Proletários Armados para o Comunismo), acusado de quatro homicídios pelos quais nunca cumpriu qualquer pena".

O jornal La Reppublica publicou em seu site que a decisão de Lula causara um "incidente diplomático" e que estava "destinada a acender fortes polêmicas".

"Esperava-se que Lula contatasse diretamente o primeiro-ministro Silvio Berlusconi ou ligasse para o Quirinale (residência oficial do presidente italiano), mas em vez disso (Celso) Amorim, respondendo a questões de jornalistas, disse não acreditar que Lula contataria autoridades italianas."

O jornal publicou declarações de Alberto Torregiani, filho de um joalheiro que teria sido morto pelo PAC. Referindo-se à recusa de Lula em extraditar Battisti, ele disse que "se o respeito à lei leva a isso, de agora em diante usaremos um punho de ferro".

O Il Tempo, jornal de Roma, publicou na internet artigo com o título "Injustiça é feita: Battisti fica no Brasil".

Nele, diz que o italiano "não pagará pelos assassinados cometidos. Além disso, agora está claro que o presidente brasileiro nunca teve qualquer intenção de descontentar a ala radical do seu país". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.