1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Bebê ferido tem alta; famílias procuram apoio psicológico

Bruno Ribeiro e Diego Zanchetta - O Estado de S. Paulo

14 Agosto 2014 | 22h 32

Moradores ao redor do acidente que matou Eduardo Campos passaram o dia sem saber se voltariam ou não para suas casas

SÃO PAULO - Gabriele, de 1 ano e 9 meses, única entre os dez feridos em terra que permaneceu internada para observação, teve alta às 9h30 desta quinta-feira, 14. A menina levou sete pontos no braço direito, segundo a prefeitura de Santos, mas não corre risco de ficar com sequelas.

Ela estava com a mãe, Larissa, na piscina infantil da academia Mahatma, um dos 15 edifícios atingidos por fragmentos do avião. A mãe não se feriu.

Os moradores ao redor do acidente passaram o dia sem saber se voltariam ou não para suas casas. Dos imóveis atingidos, apenas três continuaram interditados: dois sobrados abaixo do local da queda e a academia à esquerda. Os outros foram liberados depois de vistoria dos peritos do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

O lugar que concentrou as preocupações foi um condomínio horizontal com 12 casas. Acompanhados de bombeiros, moradores puderam entrar para buscar remédios e itens básicos, como alimentos perecíveis e roupas íntimas.

“Minha neta está traumatizada. Ela tem 9 anos, estava em casa, bem no apartamento que pegou fogo. Só fala na bola de fogo. Estamos preocupados”, afirmou nesta quinta a funcionária pública Edna da Silva, de 53 anos, que abrigou a neta e o restante dos parentes em sua casa, também em Santos.

A família de Edna foi uma das dez que procuraram apoio psicológico em uma tenda instalada pela prefeitura. 

Nervosismo. A decoradora Zuleika Saibro, de 47 anos, passou o dia abrindo a porta de sua casa para cinegrafistas e fotógrafos acompanharem as buscas. Localizada ao lado do terreno, era possível ver toda a atividade dos bombeiros.

“Eu estava dormindo na hora do acidente. Ouvi um barulho e tapei os ouvidos. Então veio o tremor. A empregada estava no fundo de casa, achei que ela tinha morrido”, disse ela, demonstrando nervosismo. 

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo