ANDRE DUSEK/ESTADAO
ANDRE DUSEK/ESTADAO

BASTIDORES: Integrantes do STF se tornaram alvo de mensagens ofensivas

Desconforto do ministro Edson Fachin com xingamentos e ofensas por e-mail vem aumentando desde o ano passado, quando ele passou a ser o relator da Operação Lava Jato

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

28 Março 2018 | 05h00

O desconforto do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, com xingamentos e ofensas por e-mail vem aumentando desde o ano passado, quando ele passou a ser o relator da Lava Jato, substituindo Teori Zavascki, morto em acidente aéreo. O ministro vem recebendo mais mensagens na esteira da maior exposição pública com os desdobramentos da operação e da delação premiada da J&F, que atingiram a classe política em Brasília. Agora, a situação piorou depois que ele se tornou alvo de ameaças. 

No fim do ano, Fachin confidenciou a interlocutores o incômodo com a situação e entrou em contato com a Polícia Federal, ainda que as mensagens hostis fossem consideradas algo mais difuso. O ministro é mais preocupado com a segurança de sua família do que com a dele mesmo, segundo relatos.

No STF, Fachin é conhecido pelos hábitos caseiros, costuma participar de poucos eventos públicos, mas frequentemente visita a família em Curitiba, onde mora a sua mulher, a desembargadora Rosana Amara Girardi, do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). Amanhã, está prevista a presença de Fachin em Rondinha (RS), onde participará das comemorações do 53.º aniversário da emancipação do município, sua terra natal. 

Outros integrantes da Corte já viraram alvo de ofensas, tanto na esfera virtual quanto pessoalmente. O ministro Ricardo Lewandowski recebeu mensagens de insulto enquanto comandava o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Gilmar Mendes foi hostilizado nas ruas de Lisboa e em voo comercial. Já Marco Aurélio Mello foi bombardeado com e-mails e telefonemas críticos à sua postura no julgamento do habeas corpus ajuizado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.