1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Base aliada já coleta assinaturas para CPI mista

EDUARDO BRESCIANI - Agência Estado

02 Abril 2014 | 15h 40

Líderes da base aliada na Câmara começaram a repetir a estratégia usada pelo governo no Senado e já coletam assinaturas para fazer uma CPI mista "ampliada" da Petrobras. A intenção é colocar junto com o tema desejado pela oposição a investigação sobre a denúncia de formação de cartel no Metrô de São Paulo nas gestões do PSDB e questões sobre o Porto de Suape e suposto superfaturamento em convênios do programa de rede digital, temas que afetariam o PSB. O líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP), está em contato com os aliados em busca de assinaturas.

A oposição protocolou na tarde desta quarta-feira um requerimento de uma CPI mista da Petrobras. Fazem parte do requerimento a compra da refinaria de Pasadena, no Texas, que teve o voto favorável da presidente Dilma Rousseff, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo, as denúncias de pagamento de propina a servidores pela holandesa SBM, construções de refinarias e a operação de plataformas inacabadas. O teor é o mesmo da apresentada no Senado, que foi questionada pelo PT, cuja instalação depende de uma decisão do presidente Renan Calheiros (PMDB-AL).

A estratégia do governo de coletar as assinaturas para uma CPI mista ampliada é ter na manga a possibilidade de criar constrangimentos para os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB). Caso Renan aceite a CPI com vários temas no Senado, a investigação seria realizada nos mesmos moldes na comissão mista, envolvendo deputados e senadores. Assim, acredita o governo, seria possível direcionar as investigações aos adversários e reduzir o desgaste da presidente Dilma Rousseff.