Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Política » Barulho de gerador motiva transferência de senador preso

Política

UESLEI MARCELINO | REUTERS

Barulho de gerador motiva transferência de senador preso

Após queixa de Delcídio Amaral (PT-MS), petista é removido da Superintendência da PF para Batalhão de Policiamento de Trânsito

0

Isabela Bonfim / BRASÍLIA,
O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2016 | 03h00

Após ter a detenção preventiva mantida pelo Supremo Tribunal Federal, no fim de dezembro, a defesa não desenhou uma nova estratégia para libertar o senador Delcídio Amaral (PT-MS) antes do fim do recesso do Judiciário. Amigos próximos do parlamentar afirmaram que, “nem que Jesus descesse para pedir sua liberdade”, o STF consideraria uma licença para as festividades de fim de ano. Dessa forma, os advogados desistiram de acionar o Supremo durante as férias e Delcídio completou um mês na prisão na manhã de Natal.

Nos primeiros 24 dias, o senador permaneceu em uma cela improvisada na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília, onde dividia o banheiro com policiais e se queixava de um gerador instalado próximo à janela do quarto. Além das emissões de óleo diesel, o gerador, que era ligado principalmente à noite, fazia barulho e impedia Delcídio de dormir.

A pedido da defesa, ele foi transferido para o Batalhão de Policiamento de Trânsito do Distrito Federal. Um amigo próximo relatou que a nova acomodação é “mais humana e muito melhor”. O senador ocupa parte do alojamento de oficiais da Polícia Militar. Ali foi notificado da representação no Conselho de Ética do Senado, que pode levar à cassação do seu mandato. O senador leu o processo de cabo à rabo e discutiu com a defesa a possibilidade de se defender em liberdade. Em nenhum momento Delcídio considerou abrir mão do mandato.

Definido pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), como um “grande relações-públicas”, o petista adora conversar, mas teve as visitas limitadas a familiares, advogados e poucos amigos. Passa a maior parte do tempo envolto em livros dos mais variados, além de reportagens sobre acontecimentos do governo e matérias que envolvam o seu nome.

A seleção é feita pelo assessor Eduardo Marzagão. “Na situação dele, qualquer coisa que não seja uma boa notícia, vem com o peso triplicado”, afirma. Ele conta que tenta manter o senador informado, mas prefere não ser o portador de más notícias. 

Para lembrar. O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) foi preso em 25 de novembro pela Polícia Federal, por ordem do Supremo Tribunal Federal. O senador foi detido por tentar barrar as investigações da Operação Lava Jato. Em conversa gravada pelo filho do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró, Bernardo, que participou de uma reunião com Delcídio e o advogado da família, Edson Ribeiro, o petista sugeriu um plano de fuga para Cerveró, que está preso em Curitiba. Delcídio tinha receio de que o ex-diretor o envolvesse no esquema de propinas na estatal.

Comentários