Balanço de Lula inclui até obra que não foi feita

A 15 dias de deixar o poder, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva registrou em cartório as realizações dos oito anos de seu governo. Não ficou só nisso. Diante do presidente da Associação dos Notários e Registradores do Brasil, Rogério Bacellar, o presidente e 37 ministros assinaram os seis volumes com um balanço dos dois mandatos, contendo até mesmo obras que sequer começaram, como a usina de Belo Monte e o Trem-Bala.

AE, Agência Estado

16 Dezembro 2010 | 08h09

Em cerimônia organizada com pompa para marcar a despedida de Lula, no Palácio do Planalto, o governo registrou também grandes obras de infraestrutura não terminadas, como as Ferrovias Norte-Sul e Transnordestina e as hidrelétricas de Jirau e Santo Antonio. A pajelança reuniu a presidente eleita, Dilma Rousseff, o primeiro escalão e quase todos os ex-ministros, como o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, além de governadores, prefeitos e parlamentares.

As obras da hidrelétrica de Belo Monte deverão ser iniciadas em março de 2011, segundo o próprio presidente, ou em abril, de acordo com a Eletronorte. O governo concedeu a licença prévia para a usina, que aguardava o documento havia vinte anos.

O Trem-Bala, que vai ligar o Rio de Janeiro a São Paulo e Campinas, não teve ainda nem o leilão, antes marcado para 29 de novembro. A pedido dos próprios empresários - e com poucos candidatos a disputar a licitação -,o pregão foi adiado para abril.

"Esta prestação de contas é menos para engrandecer o que nós fizemos e mais para dar uma fotografia à sociedade brasileira, para que ela, vendo o que foi feito, perceba também o que não foi feito e o que precisa ser feito", justificou o presidente.

O resumo dos seis volumes registrados em cartório foi distribuído num livro de 310 páginas, produzido pela Secretaria de Comunicação Social. O material foi posto na internet: balancodegoverno.presidencia.gov.br. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
balanço ministros Lula obras despedida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.