1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Ato político da Força Sindical em São Paulo vira palanque da oposição

Fausto Macedo - O Estado de S. Paulo

01 Maio 2014 | 15h 19

Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) criticaram Dilma; ministro do Trabalho saiu em defesa do governo

O ato político promovido pela Força Sindical transformou-se em palanque da oposição neste 1.º de Maio em São Paulo. Os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), opositores do governo Dilma Rousseff (PT), criticaram a petista para uma multidão de 1 milhão de trabalhadores, segundo estimativa da central, na Praça Campo de Bagatelle.

Eles atacaram a presidente principalmente por ela ter usado cadeia de rádio e TV na noite desta quarta feira, 30, para anunciar medida provisória de correção da tabela do Imposto de Renda em 4,5% e reajuste de 10% para o Bolsa Família. "Ela fez proselitismo político", disse Aécio. "Ela (Dilma) foi ontem à televisão falando que quer dialogar com a classe trabalhadora e hoje está fechada no Palácio do Governo, não veio aqui olhar para vocês, explicar porque a inflação voltou, porque o crescimento sumiu e porque a decência anda em falta no atual governo."

Campos, por seu lado, após o pronunciamento, declarou que, se eleito, vai blindar a Petrobrás de influências e ingerências políticas e cobrou profissionalismo na gestão da estatal petrolífera.

O deputado Paulinho da Força (Solidariedade) radicalizou o discurso, ao falar dos escândalos que cercam a Petrobrás. Ele disse que Dilma vai parar no presídio da Papuda, em Brasília. O ministro do Trabalho, Manoel Dias, saiu em defesa da presidente e do governo. "Ele (Paulinho) não precisava ofender a presidente. Os trabalhadores tiveram aumento real de salário nesses últimos anos, 40,9% acima da inflação. O aumento do salário mínimo já está em 78% acima da inflação. Geramos 21 milhões de empregos em 10 anos."

O secretário geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, deixou o evento contrariado. "Esse tipo de reação dele (Paulinho) eu não levo a sério. Não podemos levar a sério esse tipo de declaração feita nesse momento. Já estou acostumado. Eu não vou fazer guerra nenhuma. Esse tipo de manifestação não é ouvido pela gente. O que eu ouço é a fala séria do João, do Miguel do Juruna, de todo o pessoal da Força."

Carvalho disse que não foi ao palanque de Paulinho, mas dos trabalhadores. "Espera aí, esse é o palanque respeitável de milhares e milhares de trabalhadores da Força."

À saída, o secretário da Presidência apontou para Aécio. "Quem anunciou medidas impopulares é o Aécio."