1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Assis do Couto deve assumir nesta quarta Comissão de Direitos Humanos

Atualizado às 14h - Daiene Cardoso, da Agência Estado

26 Fevereiro 2014 | 11h 54

Ligado a causas agrárias, deputado do Paraná foi o indicado pelo PT para comandar o colegiado, após o mandato de Marco Feliciano

O deputado Assis do Couto (PT-PR) deve assumir na tarde desta quarta-feira, 26, a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM). Seu nome foi escolhido nessa terça, 25, pela bancada do PT na Câmara, mas precisa ser confirmado em votação na comissão.

Dentro do PT, o deputado venceu a indicação da frente parlamentar de defesa dos direitos humanos, que reivindicava o nome do ex-ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Nilmário Miranda (PT-MG).

Assis está em seu terceiro mandato. É filiado ao PT desde 1987 e agricultor familiar. A pauta agrícola domina praticamente toda sua carreira política. Antes de chegar à Câmara, foi dirigente sindical. Em seus mandatos, apresentou projetos relacionados a direitos trabalhistas e ações sociais ligadas ao público rural.

O próximo presidente da comissão assume após o conturbado mandato de Marco Feliciano (PSC-SP), marcado por protestos de grupos contrários à sua permanência no colegiado em razão do posicionamento do parlamentar sobre questões como o casamento gay e direitos de homossexuais.

Para o líder do PT, Vicentinho (SP), Assis do Couto garantirá o "caminho ético" à comissão. "Acho que ele vai apaziguar a comissão. Ele vai atuar como todos os petistas atuariam", afirmou.

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) chegou a manifestar interesse em presidir o colegiado, o que acelerou a sinalização do PT em ficar com a comissão – a legenda tem preferência em indicar nomes por ser a maior bancada da Casa. Bolsonaro, declaradamente conservador, avisou que apresentará uma candidatura avulsa na sessão de instalação. Ele admitiu que os deputados ligados à área devem formar maioria na comissão, mas que isso não o impedirá de atuar alinhado com os evangélicos. "Eles (deputados ativistas) vão ter trabalho", avisou. 

Comissões. Nesta quarta, ocorrem as sessões de instalação das 22 comissões temáticas da Câmara. Pela manhã, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importante da Casa, aprovou a indicação dos deputados Vicente Cândido (PT-SP) e Fábio Trad (PMDB-MS) para presidente e vice, respectivamente. / Colaborou Lilian Venturini