Estadão
Estadão

Após perder 13 quilos, Dilma fala sobre dieta

Presidente comentou com jornalistas sobre medidas que está tomando para perder peso desde que assumiu segundo mandato

Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2015 | 13h31

Brasília - Pelo menos 13 quilos mais magra desde que começou a dieta Ravena, depois de ter sido reeleita para mais quatro anos de governo, após a campanha eleitoral, a presidente Dilma Rousseff deu a receita do que está fazendo para perder peso. "A gente faz duas coisas: a gente fecha um pouquinho a boca e faz um pouco também de ginástica", ensinou a presidente, que exibia uma silhueta bem mais afinada.

No período da campanha eleitoral, Dilma evitou se preocupar com restrições alimentares, já que estava totalmente focada na campanha. Com o fim das eleições, a presidente seguiu o conselho da ministra-chefe da Secretaria de Política para Mulheres, Eleonora Menicucci, que já tinha afinado 17 quilos, adotando o método criado pelo médico e psicanalista argentino Máximo Ravenna. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, também está seguindo o cardápio, assim como a titular do Ministério da Agricultura. Kátia Abreu. Miriam Belchior, atual presidente da Caixa Econômica, também está seguindo a dieta.

No café da manhã com jornalistas, no final do ano passado, a presidente Dilma já havia avisado que não podia comer nada porque estava de dieta. Naquela época, já havia perdido mais de cinco quilos e já dava para notar a diferença. O cardápio prevê uma limitação de 800 a 1,2 mil calorias por dia e no prato, nada de arroz, pães ou açúcares, nem mesmo os integrais. Na posse, em primeiro de janeiro, Dilma já havia perdido seis quilos, apesar dos poucos dias, na época, da restrição alimentar. Além da dieta, a presidente Dilma está caminhando diariamente.

Mais conteúdo sobre:
Dilma Rousseff dieta ravenna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.