1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após onda de protestos, Dilma se reune com coordenação política pata tentar traçar estratégia

- Atualizado: 14 Março 2016 | 09h 42

Presidente realiza encontro com 11 ministros da coordenação política para discutir medidas após o tamanho das manifestações deste domingo, 13

Brasília - Um dia após a maior manifestação popular da história recente do País, a presidente Dilma Rousseff, pressionada para deixar o cargo, comanda nesta manhã uma reunião de coordenação política para tentar traçar uma estratégia de resposta aos protestos.

Participam do encontro os ministros José Eduardo Cardozo (Advocacia-Geral da União); Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo); Edinho Silva (Comunicação Social); Jaques Wagner (Casa Civil); Gilberto Kassab (Cidades); André Figueiredo (Comunicações); Antônio Carlos Rodrigues (Transportes); Marcelo Castro (Saúde) e Carlos Vieira, ministro interino da Integração Nacional. Além deles, estarão presentes os líderes do governo na Câmara, José Guimarães, e no Congresso Nacional, José Pimentel.

Avenida Paulista é tomada por manifestantes vestidos de verde e amarelo
Daniel Teixeira / Estadão
Manifestação

A Polícia Militar chegou a restringir o acesso de pessoas à Avenida Paulista. O argumento foi o excesso de pessoas no local

Neste domingo, milhões de brasileiros foram às ruas, em pelo menos 239 cidades nas cinco regiões, pedir a saída da petista Dilma Rousseff da Presidência da República. Os protestos também tiveram como alvo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, fundador e principal líder do PT, investigado pela Operação Lava Jato e pelo Ministério Público de São Paulo.

Os manifestantes se dividiram entre o apoio ao impeachment de Dilma, em tramitação na Câmara dos Deputados, a cassação do mandato pela Justiça, sob análise do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e a pressão pela renúncia da petista do cargo que ela ocupa desde janeiro de 2011 e para o qual foi reeleita em 2014, com 51,64% dos votos no segundo turno.

Veja a repercussão internacional dos protestos no Brasil
REPRODUÇÃO
The New York Times

O jornal norte-americano "The New York Times" ponderou que os protestos são "um teste decisivo para a presidente Dilma Rousseff". O jornal destaca que especialistas acreditam que "uma grande participação nas manifestações de domingo poderia dificultar ainda mais a capacidade de Dilma de lutar por sua sobrevivência política"

PMDB. Após a reunião de coordenação, às 11 horas, Dilma tem uma reunião com a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, que é do PMDB. O partido, que é a maior base de sustentação do governo, realizou convenção nacional no sábado e em um primeiro sinal de rompimento com o governo Dilma aprovou uma moção que impede que membros do partido assumam novos cargos no governo pelos próximos 30 dias. A proibição vale até o diretório nacional tomar uma decisão definitiva sobre o desembarque ou não da gestão da petista.

Com isso, o deputado Mauro Lopes (MG) fica impedido de assumir a Secretaria de Aviação Civil nesta semana. O ministério havia sido prometido ao PMDB de Minas Gerais em troca do apoio à recondução do Leonardo Picciani (RJ), aliado do governo Dilma, à liderança do partido na Câmara.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX