1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Após nomeação de d. Orani, Dilma evita a imprensa na Itália

Wilson Tosta, enviado especial a Roma - O Estado de S. Paulo

22 Fevereiro 2014 | 20h 12

Roteiro da presidente foi confirmado pela assessoria

Depois de sair pelos fundos da Embaixada do Brasil na Itália para evitar as equipes de reportagem que estavam na Piazza Navona, no centro de Roma, a presidente Dilma Rousseff teve neste sábado, 22, uma noite para relaxar na viagem à capital italiana para o Consistório Cardinalício em que o arcebispo do Rio, D. Orani João Tempesta, foi declarado cardeal.

Dilma assistiu à Missa em Si Menor, de Johann Sebastian Bach, em concerto da Orquestra Nacional da Accademia de Santa Cecilia, no Parco de La Musica, em Roma, por duas horas, das 18h às 20h. Também foi à residência do embaixador do Brasil junto ao Vaticano, Dênis Fontes de Souza Pinto, onde era oferecida recepção em homenagem a D. Orani. Ficou cerca de 20 minutos no local, onde circulou  aparentando descontração – diferentemente do semblante tenso que exibira nos contatos com repórteres -  e cumprimentou o novo cardeal e outros presentes, como o vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão.

A presidente depois seguiu para um restaurante cujo nome sua assessoria de imprensa não revelou, para jantar com ministros que a acompanham. O roteiro de Dilma na noite romana foi confirmado oficialmente, mas só quando aparentemente já se aproximava do seu  fim e sem informações que permitissem localizar a presidente.

O drible de Dilma nos repórteres que davam plantão à sua espera coroou uma viagem em que a presidente pareceu querer minimizar contatos com jornalistas, limitando-se até a noite de sexta, 23, a uma entrevista coletiva de cerca de 10 minutos após o encontro com o papa Francisco, na sexta-feira, 21. E aconteceu pouco menos de um mês após a polêmica que envolveu uma escala técnica do avião  presidencial em Lisboa, entre o Fórum de Davos, na Suíça, e o encontro da Celac (Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos), em Havana, na qual Dilma jantou no caro restaurante Eleven, citado no Guia Michelin, e se hospedou  no Hotel Ritz.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo