Após manobra do governo, CPI da Navalha deve ser arquivada

Pedido tem duas assinaturas a menos do que o necessário na Câmara e três a mais no Senado; comissão ainda não foi arquivada à espera de novas adesões

Agencia Estado

15 Junho 2007 | 15h13

O governo conseguiu enterrar a CPI da Navalha, destinada a investigar fraude em licitações e corrupção em obras públicas executadas pela empreiteira Gautama. Conferidas todas as assinaturas dos deputados, existem apenas 169 válidas, duas a menos do que o mínimo de 171 (um terço dos deputados, conforme exigência regimental) necessário para que uma CPI seja instalada. No Senado, foram conseguidas 30 assinaturas, três a mais do que o número exigido, que é de 27. Apesar de não ter conseguido as assinaturas necessárias, a CPI da Navalha, como ficou conhecida, por causa da Operação Navalha da Polícia Federal que desbaratou a quadrilha envolvida nas irregularidades, não foi ainda arquivada. Por decisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a Mesa do Senado vai aguardar até a próxima terça-feira para ver se surge alguma nova assinatura a favor da CPI. O nome de Renan apareceu em algumas das escutas telefônicas feitas pela PF. Como é parte envolvida, não quis determinar o arquivamento imediato da CPI, para evitar críticas à sua atuação. Como reconheceu o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), "a CPI da Navalha nasceu natimorta". O governo jogou duro e impediu que seus deputados assinassem o requerimento para as investigações. Os alertas contra a CPI foram dados principalmente pelo PT. O líder do partido na Câmara, Luiz Sérgio (RJ), chegou a alertar que se fossem abertas investigações, o governo teria muitas dificuldades para aprovar os projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), visto que envolve licitações e obras. E o líder do governo, José Múcio Monteiro (PTB-PE), conversou com cada um dos parlamentares da base para convencê-los a não apoiar as investigações. Quando os partidos de oposição entregaram as assinaturas para a instalação da CPI, na quarta-feira à tarde, anunciaram ter conquistado 172 deputados, um a mais do que o necessário. Mas nem isso conseguiram. De acordo com a secretária-geral do Senado, Cláudia Lyra, foram entregues 202 assinaturas, sendo 31 repetidas. Portanto, válidas eram 171. Acontece que a do deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP) não conferiu, derrubando os apoios para 170. E, ontem à tarde, o deputado Lindomar Garçon (PV-RO) enviou à Mesa requerimento de retirada de sua assinatura, o que reduziu a lista para 169. O mesmo fez o deputado Edmar Moreira (DEM-MG). Mas, aí, foi um cuidado excessivo, porque Moreira não assinara o requerimento de instalação da CPI. Como quase todos os parlamentares assinam tudo o que vêem pela frente, ele não se lembrava se tinha ou não dado o apoio às investigações parlamentares da Operação Navalha. Por via das dúvidas, retirou uma assinatura que não existia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.