André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Doria já se move para disputar o governo de SP

Prefeito da capital paulista está na ofensiva para fechar com aliados em torno de sua candidatura ao Palácio dos Bandeirantes

Pedro Venceslau e Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

07 Fevereiro 2018 | 17h13

Atualização às 21h30 de 7/2/18

Cerca de dois meses depois de encerrar sua agenda de viagens nacionais e recuar na investida para disputar o Palácio do Planalto, o prefeito João Doria (PSDB) passou a se movimentar abertamente para ser o candidato tucano ao governo paulista.

Durante a reunião da executiva nacional do PSDB na quarta, 7, em Brasília, Doria defendeu a realização das prévias estaduais da sigla na mesma data das primárias nacionais entre o governador Geraldo Alckmin e o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio: dia 4 de março. Dessa forma, Doria poderia participar da disputa interna sem deixar a Prefeitura de São Paulo, já que o prazo legal para a desincompatibilização do cargo é o dia 7 de abril.

++ Doria propõe unificar prévias estadual e nacional do PSDB em março

Questionado sobre o motivo da proposta, o tucano afirmou que seria “sensato” unificar as datas, pois isso seria mais econômico para a legenda.

A ideia, porém, não prosperou. Com apoio de Alckmin, a cúpula partidária definiu que caberá aos diretórios estaduais a decisão final. O PSDB paulista já marcou uma reunião no dia 19 para discutir o assunto. A executiva fez apenas uma “recomendação” para que as datas coincidam.

Na quarta, 7, em Brasília, Doria também se reuniu com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), e o líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), para discutir o cenário eleitoral. Em São Paulo, o nome do MDB para o governo é o presidente da Fiesp, Paulo Skaf.

Na terça, 6, o prefeito se encontrou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para articular a formação de uma aliança no plano estadual. No PSD, o interlocutor do tucano é o ministro Gilberto Kassab (Comunicações).

“Em São Paulo, estamos evoluindo bastante bem com o PSD, estamos seguindo bem com o DEM, e dialogando com o próprio MDB. Nós também desejamos prosseguir as conversas que temos com o PP e com outras boas siglas, com vista a formar uma chapa de coalizão para disputar a eleição em São Paulo”, disse Doria.

MOBILIZAÇÃO

Para conter o avanço do vice-governador Márcio França (PSB), que tenta atrair o apoio do PSDB para disputar a sucessão de Alckmin em uma chapa única da base governista, aliados de Doria intensificaram a mobilização de prefeitos e lideranças no Estado. Após uma série de reuniões fechadas com líderes tucanos, o prefeito participou anteontem de ato público na Freguesia do Ó, na zona norte da capital, com cerca de 200 lideranças. Foi recebido com faixas e palavras de ordem com o mote: “João trabalhador, o meu governador”.

Em um discurso feito ao lado de Doria, a vereadora Aline Cardoso (PSDB) afirmou: “Vou sentir falta de você na Prefeitura, mas continuarei tendo você como líder no Palácio dos Bandeirantes”. Em seguida, o prefeito ouviu um “pedido” público: “Que você aceite ser o nosso governador”. Sob uma faixa com o slogan “Doria governador”, o tucano sorriu ao ouvir os pedidos e ergueu o braço dos correligionários.

“Quero que você todos assumam o compromisso de defender o PSDB e a candidatura daquele que vai estar lá, no Palácio dos Bandeirantes, e o Geraldo Alckmin no Palácio do Planalto. Acelera”, discursou Doria.

++ Doria diz que PSDB sem candidato em SP é ‘hipótese zero’

Em outra frente, prefeitos tucanos contrários a candidatura de Doria fizeram um jantar em uma pizzaria na capital. “Doria aspira ser candidato, mas outras opiniões precisam ser ouvidas”, afirmou o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira.

“Estamos evoluindo bastante bem com o PSD, estamos seguindo bem com o DEM, e dialogando com o próprio MDB. Nós também desejamos prosseguir as conversas que temos com o PP e com outras boas siglas.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.