1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após encontro com Lula, Renan e PMDB jantam com Aécio e selam reaproximação com tucanos

- Atualizado: 10 Março 2016 | 09h 16

Promovido pelo senador tucano Tasso Jereissati, encontro discutiu 'alternativa' à atual crise política

Aécio Neves
Aécio Neves

Brasília - Em jantar realizado na noite desta quarta-feira, 9, em Brasília, integrantes da cúpula do PSDB e as principais lideranças do PMDB do Senado selaram reaproximação em busca de uma “alternativa” à atual crise política e econômica. O encontro ocorreu horas depois de os mesmos peemedebistas se reunirem com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na residência oficial do Senado. 

Da parte dos tucanos, estiveram presentes o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), o líder do partido, senador Cássio Cunha Lima (PB) e os senadores Tasso Jereissati (CE), José Serra (SP) e Aloysio Nunes. Do lado dos peemedebistas, compareceu o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), o líder do partido, senador Eunício Oliveira (CE), e o senador Romero Jucá (RR). 

“Não dá para dizer que o PMDB e o PSDB se juntaram agora para derrubar a Dilma, para fazer o impeachment, não é verdade”, afirmou o senador Eunício Oliveira.

Segundo convidados, “todos os cenários” foram traçados, como o impeachment da presidente Dilma Rousseff, a cassação da chapa presidencial pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e até a própria permanência da presidente. “Não há um consenso ainda de qual é a saída”, afirmou o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), anfitrião do jantar. 

Os tucanos querem se reaproximar do PMDB no momento em que o principal aliado do governo expressa afastamento do Palácio do Planalto. Um obstáculo é o fato de setores do PMDB apresentarem certa resistência a Aécio em razão de o PSDB ter focado suas últimas ações no TSE, onde os tucanos pedem a cassação da chapa presidencial de Dilma, o que incluiria a queda também do vice-presidente Michel Temer.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX