1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após desistir de candidatura a líder do PMDB, Newton Júnior é disputado por Picciani e Cunha

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 13h 53

Deputado mineiro foi convidado para almoçar nesta terça com Mauro Lopes, que é cotado para a Secretaria da Aviação Civil e defensor de Picciani e, à tarde, deve se reunir com o presidente da Câmara

BRASÍLIA - Após desistir de disputar a liderança do PMDB na Câmara dos Deputados contra Leonardo Picciani (RJ) e Leonardo Quintão (MG), o deputado Newton Cardoso Júnior (MG) virou um dos principais alvos dos candidatos e seus articuladores em busca de apoio.

Defensor declarado da reeleição de Picciani, o deputado Mauro Lopes (MG) convidou Newton Júnior para almoçar nesta terça-feira, 19, em Brasília. Lopes foi sondado pelo Planalto para assumir a Secretaria da Aviação Civil (SAC) em troca do apoio dele e da bancada do PMDB de Minas a Picciani.

Pela tarde, Newton Júnior deve conversar com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que buscará o apoio do deputado mineiro ao terceiro candidato que pretende lançar para disputar a liderança do PMDB. O objetivo de Cunha é dificultar a reeleição de Picciani.

O presidente da Câmara tem em mãos uma lista com nomes de seis peemedebistas, entre os quais escolherá um para disputar com Picciani e Quintão a liderança do PMDB na Casa. A definição deve sair ainda nesta terça-feira.

Newton Júnior desistiu de ser candidato a líder do PMDB durante reunião da bancada do PMDB de Minas Gerais nessa segunda-feira, 18. Após mais de três horas de encontro, a bancada mineira do PMDB não chegou a um consenso sobre como se posicionar na disputa pela liderança da sigla na Casa.

Na reunião, três propostas diferentes foram discutidas: a candidatura de Newton, a de Quintão e o apoio à recondução de Picciani ao posto, como defendido por Mauro Lopes. Sem acordo, Newton retirou a candidatura, mas Quintão manteve sua postulação.

Diante do impasse, o presidente estadual da sigla e vice-governador de Minas, Antônio Andrade, liberou a bancada a votar no candidato que quiser

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX