FABIO MOTTA/ESTADAO
FABIO MOTTA/ESTADAO

Apoio de tucanos a Temer não deve ser 'irrevogável', diz Doria

Prefeito de São Paulo seguiu o tom do governador Geraldo Alckmin, que, também nesta segunda-feira, afirmou que o PSDB pode deixar o governo 'a qualquer momento'

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2017 | 16h06

RIO - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta segunda-feira, 19, no Rio, que o limite do apoio de seu partido ao presidente Michel Temer é "a culpabilidade", e que este não deve ser "irrevogável" nem "interminável". O tucano está na cidade para um encontro de empresários no Hotel Copacabana Palace.

"Se houver uma situação que implique o presidente Temer numa culpa flagrante, evidentemente que o PSDB deve reavaliar esse apoio. Mas enquanto isso o PSDB não pode precipitar um juízo, e jogar para o alto uma circunstância em que você tem que defender o Brasil e, sobretudo, os brasileiros", disse o prefeito.

Ele declarou que o interesse nacional deve estar acima do partidário. "Você não pode ter uma atitude apenas partidária, ainda que com toda a legitimidade. Você tem que ter o pensamento no Brasil. É o que eu defendo". 

O prefeito ressalvou em seguida: "Mas não é um aval interminável, um cheque para ser descontado a qualquer hora. Diariamente há se fazer uma revisão disso. Enquanto merecer a estabilidade governamental, com os ministros do PSDB, a meu ver o PSDB deve oferecer essa garantia. Mas não é em caráter irrevogável e interminável. Não se trata de fazer um jogo para defender a estabilidade partidária e a biografia partidária, e sim pela biografia do País".

Sobre as eleições presidenciais de 2018, repetiu o discurso que vem fazendo de que não se deve antecipar nomes. "Não me apresento como candidato. Ser um bom prefeito é uma boa contribuição para a democracia brasileira. Não creio que seja a hora de tratar desse assunto,e sim de tratar do Brasil".

Críticas. Doria voltou a criticar hoje o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "É o maior sem-vergonha do País", afirmou. 

"Ele vem querer dar aula de moralidade... Só se for de imoralidade. É um cara de pau, deu entrevista dizendo que o Brasil precisa do PT. Treze anos de PT quase transformaram essa geração de jovens em frustrados, desperançosos. Os jovens não querem o País nas mãos de populistas outra vez", declarou Doria.

Ele fez um balanço de seus primeiros seis meses na prefeitura, destacando programas como o Corujão da Saúde e o Cidade Linda. Doria participou de um encontro promovido pelo Fórum Empresarial de Administração Público, com apoio do Grupo de líderes empresariais do Rio (Lide-Rio). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.