1. Usuário
Assine o Estadão
assine

André Vargas precisa se explicar para PT não 'pagar o pato', afirma Lula

Lilian Venturini

08 Abril 2014 | 13h 03

Ao comentar pedido de licença deputado da Câmara, ex-presidente diz que petista deve 'dar exemplo' e esclarecer ligação com doleiro

São Paulo - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira, 8, que o deputado federal e vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR), deve explicar à sociedade sua ligação com o doleiro Alberto Yousseff, preso pela Polícia Federal. No dia seguinte ao pedido do parlamentar para se licenciar da Câmara, Lula afirmou que o petista precisa esclarecer o caso para o PT não "pagar o pato".

"Acho que ele [André Vargas] tem que explicar para a sociedade. Não tem sentido. Ele é vice-presidente de uma instituição importante, que é a Câmara dos Deputados, e quando se está num cargo desse, você tem que dar exemplo. Eu espero que ele consiga provar que não tem nada além de uma viagem de avião, porque, no final, quem paga o pato é o PT", declarou Lula durante entrevista concedida a blogueiros, no Instituto Lula. O ex-presidente disse torcer para o episódio só seja uma "viagem de avião": "O que já é um erro", complementou.

Na semana passada, o jornal Folha de S.Paulo revelou que Vargas usou um jatinho pago pelo doleiro para viajar em férias com a família à João Pessoa (PB). A viagem teria custado R$ 100 mil. Nesta semana, a revista Veja revelou trocas de mensagens nas quais Yousseff prometia "independência financeira" a Vargas com a intermediação de um contrato do laboratório Labogen com o Ministério da Saúde. Os partidos da oposição protocolaram pedido de processo por quebra de decoro parlamentar e a Justiça do Paraná encaminhou o caso ao Supremo Tribunal Federal.

A própria cúpula do PT e integrantes do Palácio do Planalto defenderam o afastamento de Vargas. Em nota, o deputado disse que seu pedido de licença tem por objetivo "preservar a instituição da qual faz parte, a Câmara dos Deputados, enquanto prepara sua defesa diante do massacre midiático que está sofrendo, fruto de vazamento ilegal de informações".