Analista vê risco de espaço para líderes autoritários

Rupak Patitunda afirma, porém, que estudo mostra ‘esperança’, porque 84% acreditam em um país melhor sem corrupção

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2017 | 05h00

A combinação de desencanto com a democracia e rejeição aos políticos pode abrir espaço para radicalismos ou líderes autoritários na eleição de 2018? Para Rupak Patitunda, um dos responsáveis pela pesquisa do instituto Ipsos, a resposta é sim. Mas o próprio levantamento indica que a população não espera que os problemas sejam resolvidos por um regime de força.

“Testamos três frases na pesquisa, e cada uma indicaria uma solução institucional para o problema da crise política”, diz Patitunda. “A primeira é ‘colocar no poder líderes fortes para instituir a ordem’, que seria a solução pelo Executivo. A segunda frase, ‘criar regras firmes contra políticos corruptos’, significaria uma solução legislativa. A terceira, ‘aplicar efetivamente as regras já existentes contra corrupção’, significaria uma solução de fiscalização. Dentre todas a solução mais apontada não vem do Executivo, mas da criação de mecanismos legais.”

Entrave. Para o analista do Ipsos, “o problema está nas regras, não na aplicação das regras ou na ausência de lideranças”. Patitunda vê como um “nó a ser desatado” o fato de as esperadas mudanças legais para ampliar o combate à corrupção necessitarem de aprovação do Congresso, “uma instituição cuja imagem foi muito afetada pelas investigações da Operação Lava Jato”.

Um ponto positivo da pesquisa é o fato de ser minoritária a parcela da população que concorda com frases como “o que realmente vale são políticos e partidos que roubam mas fazem” (22%) e “a corrupção no Brasil é culpa do povo, que elege políticos corruptos” (44%).

“Essas frases subentendem a impossibilidade de mudança institucional, e ambas receberam a menor parte das respostas de concordância”, afirma Patitunda. “Por outro lado, ‘eu acredito que é possível governar sem corrupção’ recebeu 84%. O brasileiro ainda tem esperança quanto ao problema”, diz o pesquisador.

Mais conteúdo sobre:
Democracia Democracia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.