1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

ANÁLISE: Tese da oposição ganha força

- Atualizado: 22 Fevereiro 2016 | 12h 55

Suspeitas de que marqueteiro João Santana recebeu dinheiro desviado da Petrobrás complicam situação de Dilma e de Haddad

As revelações feitas pela Operação Acarajé, a mais recente fase da Lava Jato, têm potencial para turbinar a investida da oposição contra a presidente Dilma Rousseff no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e complicar o caminho do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), rumo à eleição municipal deste ano.

Desde o início da ação no TSE, proposta pelo PSDB ainda em 2014, os adversários de Dilma e do PT contavam com eventuais descobertas da investigação para reforçar a tese de abuso do poder econômico na campanha eleitoral que reelegeu a petista. Nesta segunda-feira, 22, ela vieram: a Lava Jato diz que o marqueteiro João Santana recebeu no exterior dinheiro desviado da Petrobrás para fazer campanhas eleitorais dos petistas.

Santana foi o responsável pelas campanhas vitoriosas de Lula, em 2006, de Dilma, em 2010 e em 2014, e de Haddad, em 2012. Apesar de os petistas alegarem desconhecer a maneira como o partido pagou o marqueteiro nessas campanhas, ficará difícil para eles - e para o TSE - negar o desequilíbrio econômico das disputas e sua contaminação pelo uso de recursos ilícitos se ficarem comprovadas as suspeitas da Lava Jato.

Na semana passada, o Brasil foi informado de que o juiz Sérgio Moro compartilhou com o TSE provas obtidas pela Lava Jato referentes ao uso de dinheiro ilícito em campanhas do PT e a Lava Jato bateu na porta no Planalto. Com as revelações desta segunda-feira, pode-se dizer que a porta foi definitivamente arrombada.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX