1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

ANÁLISE: Qualquer semelhança é expressão da verdade

Dora Kramer

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, há quase meio ano consegue postergar o andamento do processo em curso contra ele no Conselho de Ética, mediante manobras regimentais no intuito de evitar a investigação sobre possível quebra de decoro parlamentar.

Tivesse provas consistentes da alegada inocência, Cunha seria o maior interessado em enfrentar a questão o mais rápido possível a fim de dirimi-la de uma vez no âmbito daquele colegiado. Seria um problema a menos. Ocorre, porém, que as evidências, estas conspiradoras, o impedem de obter o resultado que seria de sua conveniência. O deputado firma, desse modo, a impressão de culpa perante a opinião do público e confirma junto a seus pares as acusações de que atua para criar obstáculos às investigações.

O ex-presidente da República Luiz Inácio da Silva envereda por caminho semelhante. Recusa-se a atender às convocações do Ministério Público de São Paulo para, junto com a mulher, Marisa Letícia, prestar esclarecimentos sobre a compra de um apartamento no Guarujá e recorre ao Supremo Tribunal Federal para tentar estancar a investigação da Operação Lava Jato sobre o possível recebimento de vantagens indevidas de empresas durante o exercício da Presidência.

Alega, em sua defesa, que é preciso antes definir competências no exame das acusações: o Ministério Público de São Paulo ou o Federal. Trata-se de uma dúvida pertinente, claro. Mas não alcança o mérito da questão em jogo: Lula da Silva recebeu ou não favores à margem da lei? Tivesse de pronto a resposta, o ex-presidente não teria dificuldade em fornecê-la de imediato.

Na impossibilidade de forma simples e objetiva, autoriza as mais variadas suposições, sendo a mais forte de culpa. E ainda estabelece um paralelo em forma de parceria com o presidente da Câmara, desafeto da presidente, cujo afeto por Lula talvez não conte com a recíproca como verdadeira.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX