1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

ANÁLISE: Na crise política, o governo comete erro atrás de erro

João Domingos*

Só a forte tensão da crise política que pode desembocar no impeachment da presidente Dilma Rousseff é capaz de explicar o clima de barata tonta que tomou conta do governo. Pelo jeito, nem a presença do ex-presidente Lula está servindo para que alguma coisa entre nos eixos por parte dos estrategistas do Planalto e do PT, no momento em que o governo mais precisa dos partidos, principalmente do PMDB.

Só uma articulação política sem rumo, mesmo que conte com Lula, pode explicar a retaliação ao vice-presidente Michel Temer, explícita na demissão do presidente da Funasa, Antônio Henrique de Carvalho Pires ontem. Tudo bem que a presidente Dilma, Lula e ministros tenham ficado tiriricas com Temer, que se recusou a adiar a reunião do diretório nacional do PMDB convocada para a próxima terça-feira. Mas dar o troco nessa hora é a pior de todas as iniciativas. Quanto mais o tempo passa, mais os integrantes do governo parecem perdidos e mais se mostram dispostos a recorrer a uma estratégia de defesa estranha, baseada na busca de ajuda de instâncias sabe-se lá quais e em que partes do Universo.

No momento, todos eles estão empenhados em pedir socorro ao mundo, ao qual denunciam o que consideram um golpe em marcha contra a democracia e o Estado de Direito, a exemplo do que foi feito por um funcionário do Itamaraty. Nada do que está sendo feito contraria a Constituição, diz a vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, desde que as regras sejam respeitadas. Isso vale para o processo de impeachment, para as investigações da Operação Lava Jato, para os processos no Supremo. O próprio ministro Dias Toffoli, que foi empregado do PT antes de ir para a suprema Corte, afirma que o processo de impeachment está dentro dos conformes constitucionais.

É claro que a Câmara é presidida por um deputado que está todo enrolado na Justiça. É certo que a hora dele chegará. Mas o fato de Eduardo Cunha ser presidente da Câmara não pode fazer com que o processo de impeachment seja comparado a um golpe, e isso fica claro nos esclarecimentos dos ministros do Supremo. O processo de impeachment foi pedido por três advogados respeitados em todo o País, nenhum deles golpista. A multidão de pessoas que tem ido às ruas pedir a saída da presidente não é constituída de golpistas. Lá estão os desempregados, empresários que perderam tudo ou que estão vivendo os efeitos da crise, e a classe média que sempre votou no PT. E que agora perdeu a paciência.

*João Domingos é coordenador do serviço Análise Política, do Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX