1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Análise: Fragilmente favorita

Carlos Melo*

29 Março 2014 | 21h 05

A avaliação de ruim/péssimo do governo de Dilma Rousseff é ligeiramente superior à de FHC e Lula em igual período de seus primeiros mandatos - 27%, ante 20% do tucano em 1998 e 22% do petista, em 2006. É verdade que os "ex" tinham mais jogo de cintura para superar adversidades, mas ainda assim a mais recente sondagem do Ibope não deveria surpreender nem precocemente retirar a presidente da condição de favorita para a próxima eleição.

A avaliação de ruim/péssimo do governo de Dilma Rousseff é ligeiramente superior à de FHC e Lula em igual período de seus primeiros mandatos - 27%, ante 20% do tucano em 1998 e 22% do petista, em 2006. É verdade que os "ex" tinham mais jogo de cintura para superar adversidades, mas ainda assim a mais recente sondagem do Ibope não deveria surpreender nem precocemente retirar a presidente da condição de favorita para a próxima eleição.

Esse quadro não se desenhou de uma hora para outra: a reversão de expectativas em relação ao governo se dá desde meados do ano passado. O Datafolha de 6 e 7 de junho já demonstrava curvas de expectativa descendentes em relação à inflação e ao poder de compra dos entrevistados. Analistas só olhavam para a popularidade e não compreendiam as manifestações de junho nem o efeito de tais expectativas ao longo do tempo. Atribuíram tudo à rua desorganizada, sem pauta ou foco - que em pouco tempo fez com que o clima arrefecesse, retomando a crença de que a eleição seria um passeio e Dilma, franca favorita.

Naturalmente, a presidente detém importantes instrumentos de campanha - reeleição favorece, centralidade no noticiário, máquina, tempo de TV, grandes partidos, marqueteiro experiente e o maior cabo eleitoral da história, Lula. Além disso, a oposição não capitaliza o descontentamento, tem muitos problemas e pouco tempo, e não conta com trunfo capaz de rivalizar com Lula.

Mas há tempos o governo patina, sem cumprir o desafio da continuidade ao virtuoso processo dos 16 anos anteriores a 2011. Abriu-se um flanco num setor sensível, que é a percepção do eleitor em relação ao seu bem-estar. A percepção latente de piora é lenta até se consolidar e dar saltos na direção do pessimismo explícito, como parece ser o momento. Os números já diziam, e hoje reafirmam, que o favoritismo de Dilma é frágil.

Sua condição é precária, pois seu diagnóstico da política, da economia e da sociedade se mostrou inconsistente, comprometendo o desempenho. Escolhas erradas e má condução de processo não tardam a cobrar seu preço. Um governo não se faz só de gerentes, mas de políticos visionários. Trocar o longo pelo curto prazo é um problema, quando o futuro chega. Simples assim. Nada disso é novo; Dilma é apenas fragilmente favorita - ainda assim favorita, por enquanto.

* CIENTISTA POLÍTICO E PROFESSOR DO INSPER

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo