ANÁLISE: Distorção da realidade

Ivar A. Hartmann

O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2016 | 05h00

Quando servidores de carreira encontram e punem a corrupção de alguns membros isolados de um partido político, normalmente esses são expulsos para proteger o partido. No caso do PT, fez-se o contrário: os acusados e condenados são protegidos à custa da sustentabilidade do próprio partido. O mecanismo central é a distorção da realidade. Do mensalão à denúncia de Lula, qualquer coisa é lida da maneira que mais reforçar a teoria da conspiração.

Se denunciasse rapidamente antes de aguardar ter provas suficientes, a força-tarefa da Lava Jato seria taxada de seletiva e inquisitória. Já se aguarda pacientemente a oportunidade correta para denunciar, enquanto produz as provas necessárias, está perseguindo o ex-presidente sem nunca achar nada. 

Se o MP protocolasse denúncia enxuta, sem dar explicações do contexto à população, estaria agindo de forma obscura. É leviano acusar um ex-presidente da República sem total transparência. Então os procuradores produzem denúncia longa e exaustiva, submetem acusação bem fundamentada a uma entrevista coletiva para a imprensa e usam até PowerPoint para tornar a explicação mais clara para a sociedade civil. Acabam rotulados de midiáticos e sensacionalistas. 

Vemos um esforço para reduzir toda a história de um partido a um punhado de pessoas. Negam o papel de todos os demais membros nos méritos – e o PT tem muitos, atuando na oposição e no governo. Inviabilizam a renovação do partido para poder martirizar Lula e outros poucos intocáveis. Com isso, privaram o Brasil de um partido progressista grande e forte, sem o qual a democracia não é possível. 

*É PROFESSOR DA FGV DIREITO RIO

Mais conteúdo sobre:
PT Lula FGV Operação Lava Jato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.