1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

ANÁLISE: Dilma joga a toalha e entrega o governo para Lula

- Atualizado: 16 Março 2016 | 13h 28

Dia 16 de março será marcado como a data em que a presidente abdicou do mandato em favor do padrinho político

Pressionada pelos milhões de pessoas que ocuparam as ruas no último domingo e pelo teor explosivo das revelações feitas pelo senador Delcidio Amaral, a presidente Dilma Rousseff não resistiu. Sabendo que não teria mais força política para evitar sozinha o processo de impeachment, apelou para o padrinho. Nomeou Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil e, na prática, lhe entregou o comando do governo.

A estratégia é uma só: sem saber o que fazer para consertar a confusão econômica e política em que seu governo se meteu, Dilma apelou para a última cartada possível. Usa o resto de popularidade que Lula ainda possui para injetar algum sopro de vida na sua administração.

O problema é que o atual estágio da crise não garante que o movimento desesperado funcione. Para Lula, a manobra é reconfortante. Passa a ficar protegido de ser preso por ordem do juiz Sergio Moro, já que terá foro privilegiado por ser ministro. Ou seja, apenas o Supremo Tribunal Federal poderá investigá-lo. De quebra, ganha o que sempre quis, antes mesmo de Dilma se reeleger: passe livre para iniciar seu terceiro mandato presidencial. Dessa vez, sem o voto das urnas, mas com a liberdade de atuação de um bombeiro que tenta apagar um mega incêndio que já lambe toda a casa.

Não é que essa estratégia seja arriscada. Foi a que restou aos petistas, enfraquecidos no poder, como as ruas mostraram no domingo , e fragilizados pelo mar de escândalos que envolve o mundo político.

Lula tem a chance de fazer algum movimento mirabolante que tire o governo do cadafalso. Mas as investigações feitas a seu respeito lhe tiraram boa parte da força política que tinha. Lula precisará inventar novas mágicas para salvar um governo que está desmoronando em praça pública. Quanto a Dilma, o dia 16 de março será marcado como a data em que abdicou do mandato presidencial em favor de seu criador.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX