1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Alvo da Zelotes, ex-ministra compra imóvel de R$ 4,3 mi, diz jornal

- Atualizado: 27 Fevereiro 2016 | 16h 08

Erenice Guerra, que renunciou ao cargo na Casa Civil em 2010, constrói em um terreno em área nobre de Brasília comprado em nome da empresa do marido

BRASÍLIA - Investigada na Operação Zelotes, a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra constrói uma mansão no Lago Sul, área nobre de Brasília, num terreno que foi adquirido por R$ 4,3 milhões. A negociação, ocorrida em julho de 2014, foi intermediada pelo contador José João Appel de Mattos, alvo da Operação Acrônimo. 

O lote de 1.300 m², que tinha uma antiga casa,  foi comprado em nome da empresa Gaya Participações Societárias S/A, empresa que tem o marido da ex-ministra, José Roberto Camargo Campos, como sócio, com 99% de participação. A edificação foi demolida para dar espaço à planta de dois pavimentos, que deve ser concluída em seis meses. Com a construção, calcula-se que a valorização do imóvel ultrapasse os R$ 4,3 milhões pelo qual foi adquirido.

Ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra renunciou em 2010 após denúncias de tráfico de influência
Ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra renunciou em 2010 após denúncias de tráfico de influência
De acordo com reportagem publicada no jornal "Correio Braziliense" deste sábado, 27, a assessoria da Gaya garantiu que o imóvel foi comprado com "recursos próprios" de Erenice, mas que o casal usou a intermediação do contador Appel para evitar pagar mais caro. 

"Trata-se de estratégia comercial, comum no mercado imobiliário, buscando-se evitar a especulação do preço do imóvel", disse a assessoria. "A prova é que tão logo a compra do imóvel foi efetivada, as ações da empresa foram transferidas para o seu presidente, José Roberto Camargo Campos, comprovando a total transparência de procedimentos." No entendimento da assessoria, caso o proprietário soubesse que a compra seria feita pela ex-ministra, isso encadearia um aumento desleal no preço do imóvel. 

Segundo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), houve "movimentação atípica" entre a Guerra Advogados Associados, empresa de Erenice, e o contador Appel. Entre 2011 e 2015, foram identificados R$ 2,7 milhões em pagamentos para o escritório do contador.

O advogado de Appel, Daniel Gerder, confirmou que a casa pertence a Erenice e que parte do dinheiro da casa pode ter vindo dos recursos identificados pelo Coaf. Ele também defendeu que a compra foi declarada, incluindo as transferências de dinheiro da ex-ministra para Appel. Segundo o advogado, o contador fez a declaração de Erenice informando sobre o imóvel à Receita Federal. 

A ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, renunciou ao cargo em novembro de 2010, após denúncias de tráfico de influência e lobby que envolveram seus filhos, Saulo e Israel Guerra. Ela nega envolvimento em irregularidades. Em 2015, Erenice passou a ser investigada na operação Zelotes por associação com o lobista e ex-integrante do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), José Ricardo Silva, assinando um acordo para defender os interesses da empresa de telecomunicações chinesa Huawei perante a Receita e ao próprio colegiado. 

A Zelotes investiga suposto esquema de compras de medidas provisórias para favorecer o setor automotivo. Segundo a Polícia Federal, o inquérito contra a ex-ministra Erenice investiga se, eventualmente, ela foi "corrompida" ou "vítima" de tráfico de influência praticado pelos lobistas que atuaram para viabilizar as MPs.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX