Além de encolher, PT fica mais isolado

Reflexo da crise que enfrenta, partido reduz em 44% o número de candidatos em 2016 e faz bem menos coligações do que na eleição anterior

Daniel Bramatti e Rodrigo Burgarelli, do ESTADÃO DADOS, O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2016 | 06h49

O PT ficou menor e mais isolado na campanha eleitoral de 2016. Além de registrar uma forte queda no número de candidatos a prefeito, o partido terá uma proporção maior de chapas “puras”, em que concorre sem se coligar com outras legendas – e, nos casos em que petistas fecharam alianças, o número de parceiros diminuiu.

Reflexo da crise pela qual passa o partido desde que seus principais líderes viraram alvo de protestos de rua e de operações policiais, os fenômenos combinados do encolhimento e do isolamento devem reduzir o número de prefeituras conquistadas.

A base de dados do Tribunal Superior Eleitoral mostra que o PT lançou 991 candidatos a prefeito neste ano, 44% a menos do que na eleição passada e a menor quantidade em duas décadas. O número de candidatos ficou abaixo até da previsão que a direção nacional do PT fez no início de agosto, de disputar 1.135 prefeituras.

Dos grandes partidos, o PT é o que vai disputar mais prefeituras sem fazer coligação com outras legendas. Haverá chapas puras em 224 cidades, quase um quarto do total com candidatos petistas. Em 2012, o partido não teve aliados em apenas 17% dos municípios onde disputou.

Nas cidades onde fez alianças, o PT terá, em média, 10% a menos de legendas coligadas, em comparação com a disputa anterior. É o único entre os grandes partidos em que se verifica essa tendência – nos demais, o número de parceiros aumentou.

Contexto. Parte desse isolamento resulta da ruptura entre PT e PMDB no plano federal. Como o Estado demonstrou na semana passada, o número de alianças entre peemedebistas e petistas, com um ou outro partido na cabeça de chapa ou no cargo de vice, caiu de 495 em 2012 para 200 neste ano – uma redução de cerca de 60%.

Com isso, o PT perdeu para o PSDB o posto de aliado preferencial do PMDB na formação de chapas em municípios.

A eleição de 2016 deve reverter a tendência de expansão do PT no âmbito municipal – entre 1988 e 2012, o partido cresceu sem parar, em número de prefeituras conquistadas a cada quatro anos. Manter esse ritmo é quase impossível. Nas duas eleições municipais anteriores, petistas venceram em cerca de um terço das cidades onde o partido lançou candidatos. Com menos nomes lançados em 2016, a taxa de sucesso teria de dobrar para ao menos igualar o número de eleitos há quatro anos.

Outro indicador da força dos partidos nos municípios é o número de eleitores governados. Também nesse aspecto o PT deve encolher, a menos que o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, vença as altas taxas de rejeição apontadas pelas pesquisas e conquiste a reeleição na maior cidade do País.

O número de candidatos será menor neste ano em todos os Estados do País, com exceção do Piauí. Apesar do encolhimento generalizado, o partido lançou mais candidatos em capitais: serão 20, em comparação com os 17 da eleição anterior.

O enfraquecimento do PT nos municípios abre espaço para o PMDB voltar a crescer, depois de encolher por quase três décadas. O PMDB elegeu 38% dos prefeitos do País em 1988. Daquela eleição até 2004, essa porcentagem caiu quatro vezes seguidas, para 34%, 24%, 23% e 19%. Em 2008, houve uma leve recuperação, para 22%, seguida de nova queda em 2012, para 18%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.