1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Alegações sobre compra de Pasadena são 'fantasiosas', diz ex-presidente da Petrobrás

Erich Decat

08 Abril 2014 | 14h 57

Gabrielli, no comando da estatal na época da polêmica compra da refinaria, falou a parlamentares petistas e afirmou que aquisição foi um 'bom negócio' em 2006

Brasília - Em reunião com a bancada do PT na Câmara nesta terça-feira, 8, o ex-presidente da Petrobrás Sérgio Gabrielli chamou de "fantasiosas, publicitárias e eleitoreiras" as alegações de integrantes do oposição para que a estatal seja investigada no caso da compra a refinaria de Pasadena.

"A bancada do PT queria saber fatos e combater as versões fantasiosas, publicitárias e eleitoreiras que estão sendo veiculadas persistentemente. Vocês sabem que uma mentira repetida inúmeras vezes vira uma verdade e o que está acontecendo são algumas mentiras que são insistentemente veiculadas", afirmou Gabrielli após encontro com deputados do PT na Câmara.

"Por exemplo, a refinaria custou 42 milhões de dólares e foi comprada por um bilhão de dólares, isso é mentira. É mentira porque não custou 42 milhões de dólares para a empresa que adquiriu, porque ela investiu mais 84 milhões e tinha uma dívida de 200 milhões. E a Petrobrás não pagou 1 bilhão pela refinaria pagou 486 milhões de dólares. Esses são os fatos", afirmou Gabrielli.

Na semana passada, senadores e deputados da oposição protocolaram o pedido de criação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar denúncias de irregularidades na Petrobrás. A CPMI pretende investigar o superfaturamento na compra da refinaria de Pasadena (EUA), adquirida pela Petrobrás em 2006. Polícia Federal, Tribunal de Contas da União e Ministério Público investigam a transação, que custou US$ 1,3 bilhão.

Em vários momentos da entrevista, ele defendeu a aquisição feita na época, aprovada pelo Conselho Administrativo da estatal. "Esse conselho aprovou essa posição. Era um bom negócio naquele momento".