1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Aldo Rebelo diz que política não pode ser substituída pela toga

- Atualizado: 16 Março 2016 | 12h 11

Ministro da Defesa não quis comentar a possibilidade de Tombini deixar o Banco Central com a entrada de Lula no governo; Rebelo ainda afirmou que Brasil não é um 'fracasso civilizatório'

Brasília – O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, fez um discurso inflamado em defesa da união do País em meio a crise política e econômica na manhã desta quarta-feira, 16. Durante evento de lançamento da Agenda Institucional do Cooperativismo, ele disse a uma plateia formada majoritariamente por políticos de oposição ao governo que “não se pode dividir o País entre esquerda e direita”. “Em nenhum momento desses do passado (outras crises) se criou um abismo entre os brasileiros”, afirmou. Ele também fez críticas ao Judiciário. “Se a política tem defeitos, se ela sofre processo de degradação, precisa ser corrigida e não substituída por aqueles que pensam que podem substituir a política pela toga”, disse.

Rebelo ainda argumentou que a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no governo é uma decisão que cabe a presidente Dilma Rousseff. Ele ainda se mostrou surpreso quando questionado sobre a possibilidade de o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, deixar o governo. “Não posso comentar sobre a situação de outro ministro, nós não conversamos sobre isso”, disse. Aos parlamentares no evento, ele afirmou que faz a leitura do Brasil pelo que deu errado e rebateu críticas de deputados ao afirmar que o Brasil “não é um fracasso civilizatório, onde tudo é corrupto”. Ele, inclusive, listou o que considera os pontos fortes do País: “Somos a sétima economia do mundo, os primeiros em agricultura e pecuária, temos uma indústria aeronáutica das mais modernas”, relatou.

Ele afirmou, em vários trechos de seu discurso, que os interesses que orientam o País não podem ser divididos pelas “querelas” das disputas partidárias e ideológicas. “Não divida o País entre esquerda e direita que o interesse nacional desaparece. No Código Florestal dividimos o País entre os interesses nacionais e os não-nacionais. Dividir o País entre pró-isso e pró-aquilo só levanta poeira”, argumentou. Ele disse ainda que seu discurso não tentava minimizar os interesses partidários e políticos e que ele os considera como necessários e legítimos. O ministro ainda fez um alerta sobre as alianças políticas que possam ser formadas em função da crise.

“As composições de hoje se tornam recomposições amanhã e o que é permanente é o interesse nacional. Por isso faço um apelo a serenidade”, argumentou. “Os governos até mudam, mas as acusações permanecem alterando apenas quem as faz e aqueles que delas se defendem. É preciso ter tranquilidade. Cada um deve cumprir seu papel”, disse. Rebelo ainda defendeu que em um País democrático não se pode viver sem situação e oposição e classificou a oposição como legítima. “Só não se pode superar o interesse nacional, esse não é passageiro, é permanente”, enfatizou.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em PolíticaX