Reprodução
Reprodução

Aldo Rebelo deixa PSB e se filia ao Solidariedade

Ex-ministro da Defesa se disse 'impossibilitado' de apoiar Joaquim Barbosa, possível nome do PSB ao Planalto; segundos fontes, Aldo é uma opção para concorrer à Prefeitura de São Paulo em 2020

Ricardo Galhardo e Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

12 Abril 2018 | 13h14

Antes mesmo de anunciar sua saída do PSB, via Twitter, nesta quinta-feira, 12, o ex-ministro Aldo Rebelo já havia se filiado ao Solidariedade (SD). Aldo assinou a ficha de filiação ao SD no dia 5, assim que soube da entrada de Joaquim Barbosa no PSB. A ficha foi abonada pelo deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, presidente do SD.

A saída do PSB, contudo, só se tornou pública neste terça, em que Rebelo atribuiu sua saída à possível candidatura do ex-presidente do STF Joaquim Barbosa à Presidência da República. Barbosa se filiou à legenda na última sexta-feira, 6. 

Segundo fontes próximas a Paulinho, Aldo é uma opção para concorrer à Prefeitura de São Paulo em 2020 pelo SD. 

+++PSB cobra mais 'entrosamento' de Joaquim Barbosa

"Impossibilitado de acompanhar a manifesta inclinação da direção partidária pela candidatura do ilustre ministro Joaquim Barbosa, comunico meu afastamento do PSB", escreveu. "Continuarei apoiando a candidatura de Márcio França em S.Paulo e outros projetos regionais do Partido."

O SD já declarou apoio à candidatura de Márcio França (PSB), ao governo de São Paulo. 

+++PSB pode descartar coligação nacional para priorizar Estados

A ala pessebista do novo governador de São Paulo, Márcio França, é contra candidatura própria ao Planalto. Defendia uma coligação com o PSDB de Geraldo Alckmin, de quem França era vice até semana passada. A hipótese foi descartada pelo partido, que tenta emplacar um discurso de retorno às origens de centro-esquerda.

Aldo Rebelo, que passou 40 anos no PCdoB, chegou a se oferecer para ser o candidato do PSB à Presidência. 

+++'Governo de esquerda ou direita vai ser instabilidade', diz Aldo Rebelo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.