Alckmin: Quércia foi homem público que lutou pela democracia

Alckmin revelou que o presidente do PMDB paulista já estava com a consciência bastante debilitada há alguns dias

Daiene Cardoso, da Agência Estado

24 Dezembro 2010 | 10h23

SÃO PAULO - O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), chegou há instantes ao hospital Sírio Libanês para prestar solidariedade à família do ex-governador Orestes Quércia, que faleceu nesta sexta, 24.

Alckmin revelou que o presidente do PMDB paulista já estava com a consciência bastante debilitada há alguns dias e que a última conversa que tiveram foi há aproximadamente 20 dias.

Alckmin, que esteve internado ontem no mesmo hospital, disse que fez uma vista a Quércia na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). "Ele já não reconhecida as pessoas", contou.

O governador eleito lamentou a morte de seu aliado político e classificou Quércia como "um homem público que lutou pela democracia". "Trabalhamos juntos na redemocratização do País", lembrou Alckmin, ao listar a trajetória política de Quércia, desde a prefeitura de Campinas, Senado e sua administração do governo do Estado de SP. "Nosso sentimento nosso carinho, nossas orações e nossa solidariedade á família do governador Orestes Quércia".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.